domingo, 9 de dezembro de 2018

Banho de Amor em Serenas Águas. {Poetizando e Encantando}

 64ª EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO.

 ♥♥
Refresco-me num mar de desejos
Escutando a voz do meu coração
Recebo o teu olhar, estou carente
Abraçamos-nos, carinhosamente
Pura água, vestidos, desfrutamos
Desse amor que ambos sentimos
Teus olhos são luz que me acalma
Não existe amor mais verdadeiro
Nem nada de mais importante
Do que o meu amor, primeiro
E mais que tudo, é reconfortante
Temperatura amena em água ondulante
Teus braços enlaçam-me com ternura
Tuas mãos rodeiam a minha cintura
O meu corpo estremece, esfuziante,
As águas nos despertam os sentidos
Nossos lábios se tocam, doce união
Nossas bocas afagam-se em beijos
Que nos queimam de amor e paixão.

♥♥
 🌹Autora: Larissa Santos



Neste, Feriado Santo, divido convosco a minha humilde participação. Espero que gostem. As imagens são maravilhosas. Agradeço o convite, da Prf Lourdes Duarte.  Obrigada. Feliz fim de semana.
Imagem relacionada 
Flores para todos. 


           

sábado, 8 de dezembro de 2018

Lágrima em rio de cumplicidade

💕
Embriagada pela brisa, em fim  de tarde
Naquele rio de amor, ou de meras ilusões
Onde desejo que o meu amor me guarde
Num cantinho especial das suas emoções
💧
Confesso, que me sinto por vezes, sozinha
Mesmo que ouça, e veja, aves esvoaçando
Quando o sol se ausenta em voz mansinha
Chega a brisa sussurrando e me abraçando
💧
No meu silêncio onde as ondas e as flores
Me fazem reflectir, e desejar o amanhecer
E ver, como é belo o dia em todas as cores
💧
Embriagada... e mergulhada nesta saudade
E num silêncio desmedido, pode acontecer
Soltar-se a lágrima, no rio de cumplicidade.

💕

🌷 Autora: Larissa Santos

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Sou folha escrita em poesia apagada.


Sou um fragmento da ingrata existência
Fruto nascido da união de dois sorrisos
Onda descontrolada das margens do rio
*
A estrela que não se vê na noite escura
A raiz sem rumo, sobressaída da árvore
 Que ressalta no asfalto da negra estrada
*
O homem feito em momento de ternura
Parte infiel da vontade e da incoerência
Delírio de amor, emoção do sentimento
*
Rimas cruzadas, em poesia reproduzida
Sentimento inspirador, folha amarrotada
Sou a fantasia. Sou tudo e não sou nada
*
Onde o meu versejar, é página amarelada
Sendo os meus traços, versos indivisíveis
Palavras soltas entoando pela voz calada
*
Areal de carinho, mar de inspiradas águas
Sentindo que na piedade das frias mágoas
Sou uma folha escrita em poesia apagada

***
Autor: gil antónio
*

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Cama vazia - desatino da minha agitação


Em meu quarto, olho o escuro, estremeço
Corpo inquieto, suores frios, insano desejo
Acaricio o teu lugar, deserto, impaciência
Sinto o lençol molhado da forte excitação
Trinco os lábios, de ti, secos por carência
*
Procuro apagar o fogo que arde em mim
Afagando o meu imaginário de exaltação
Que me fere os pensamentos libidinosos
Para o teu corpo, meu desejo, transponho
Numa carícia feita no silêncio da solidão
*
Queria esse teu aroma que me enlouquecia
O teu corpo, um carinho amigo, entristeço
Afasto a minha mão que meu sexo acaricia
Cheiro a tua almofada, de ti, carente e vazia
E no desatino da minha agitação, adormeço

***
Autor: gil antónio

*

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Dança...leviandade minha...

♦♦

Salão decorado, a dança vai começar
A média luz, os contrastes
As cores sedutoras, o perfume
A beleza do espaço ainda vazio,
Eu, e a minha veste arrojada
Num efusivo rodopio, a imaginar
Ensaio a dança que eu escolhi
Para quando entrares, eu te ofertar
Contigo dançar até à exaustão,
São apenas devaneios meus
Ou desejos das noites dançantes
Em teus braços abrangentes
Dançaria descalça à média luz
Dançaria com o par sempre escolhi
Mesmo que fosse leviandade minha,
Mas apenas no meu pensamento
Existe um limite, o que me seduz
Desinquietando o meu coração
Vivo, e espero pelo momento
Que a dança comece, mas nunca sozinha
Para contento da minha ilusão,
Encanta-me a cor do meu vestido
São meros momentos de felicidade,
É por mim... é por ti... é por nós que vivo!

♦♦ 

🌻Autora: Larissa Santos

domingo, 2 de dezembro de 2018

Da minha Janela, olho o além ( Poetizando e Encantando )

 63ª EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO.


Nos segredos da tua alma de poética doçura
Encontro os carinhos sublimes da sabedoria
Perfumando o meu coração de doce ternura
Que se deixa poetizar pelos versos de magia


Corações unidos, promessas vãs, confissões
Horas vazias, almas cansadas, dor, silêncio
Prazeres vividos, abraços sentidos, ilusões
*
Apagados pensamentos, felicidade esgotada
Vozes ocas, preces omitidas, olhar suspenso
De tudo um pouco, numa promessa de nada
*
Ficou a razão, a saudade, uma porta fechada
Um olhar distante, uma vida existente lá fora
Tristeza, amor esquecido, dos dias de outrora
*
Tudo que imaginámos se esgotou, foi em vão
Abraços arrefecidos, pela vontade do coração
Deixando que a porta da vivência se fechasse
*
Fomos vozes ocas, no luar da incompreensão
Estrelas antes cintilantes foram apenas ilusão
Caminhos sem rumo, desertos, doçura singela
*
Assim, sentado na beira da felicidade perdida
Olhando a sombra da rua, visão de nova vida
Espero ver-te além, no vazio da minha janela
*

É com todo o gosto, carinho e amor poético, que o blogue Brincando com as Palavras, se associa e aceita o convite formalizado no blogue Filosofando e Encantado, da ilustre poetisa, profª Lourdes Duarte, que pode (e deve) visitar, clicando »»» AQUI

***
Autor: gil antónio

*

sábado, 1 de dezembro de 2018

Pensamentos libertinos nas ondas do mar

Prometi  às ondas do mar, o meu coração
Prometi redigir as palavras  mais eruditas
Coisas que ao  mar confesso com emoção
Palavras em  trovas, às ondas mais aflitas
No areal molhado  onde caminho sozinha
Sou possuída, por pensamentos  libertinos
Num grito  de impaciência o mar acarinha
E todos os meus  devaneios são repentinos
Em cada onda desfeita, respiro da maresia
Liberto do meu coração onerosos segredos
Guardo-os num cantinho da minha fantasia
Pedi, textos e prosas num momento sereno
Para meditação da minha alma dos enredos
Porque amo, porque quero ter-te em pleno.


 💜💛

👄Autora: Larissa Santos

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Utopia de um Amor delirante


Dura chama que arde incessante dentro do meu peito
Lençóis molhados pela dor, mar bravio em meu leito
Lava de vulcão escorrendo pelos sonhos de desamor
.
Pesadelos estonteantes em devassa e volúpia loucura
Que me acalma, faz suar, adormece, queima e tortura
Na insolência da noite, e virgíneos encantos do amor
*
Navego nos desejos esculpidos nas vozes incoerentes
No odor da tua pele, olhares entre beijos envolventes
Em que sorvo o aroma, de sentimentos vazios, irreais
.
Imagino ser o imaginário que me está desencantando
Ou será o silêncio do segredo, que me vai embalando
Nos meus emotivos exílios, gelados, tristes, Outonais
*
Ouço o meu grito na arqueação de um sonho cansado
Insânia sentimental vivida na explosão do meu brado
Neste amor que te dedico que sei ser tão apaixonante
.
Que só se serena quando exausto, consigo adormecer
Da vida, da ternura, da paixão, de ti, decido esquecer
Secando meu coração, na dor d'uma utopia, delirante

***
Autor: gil antónio

*

Amor servido em copo de carinho


Não preciso saborear um amor fingido
Que na incerteza à minha mente aflore
Nem do prazer que por vício se demore
Na degustação de um vinho embriagante
Na formosura de um copo, oferecido
Por incompreensão, na fantasia, partido
Que me inebrie, e esqueça num instante
*
Preciso d´um amor firme, amigo, seguro
Que como o vinho fresco extraído da uva
Lave meu coração como pingos de chuva
Abençoe a minha alma de amor sequiosa
Proteja a minha essência como uma luva
Que de mim retire o pensamento impuro
Invisível, tão falso, como cobra venenosa
*
Quero um amor, que ilumine o caminho
Que quero trilhar, sem que viaje sozinho
Que seja como a vinha que dá belo fruto
Me deseje, e entenda a minha existência
Que me beije, me saboreie, em absoluto
Desejando o vinho na sua pura essência
Comigo degustando um copo de carinho

***
Autor: gil antónio
*

terça-feira, 27 de novembro de 2018

As palavras ternas do meu dicionário.

★★
Olho as nuvens com olhar sorridente
Coração que vibra, carente
Libertando numa doce declaração
A fragrância feita felicidade,
Quando olho o sol, mas escondido
Por detrás, dum imaginário arco íris
Sinto a chuva, o sol, a turbulência
Sinto no coração, o ex-libris
O consolo, duma solidão anunciada
Para contento da minha liberdade
Mas onde o meu coração é dividido
Procuro nos recantos das recordações
As palavras em doce ternura
E nas nuvens cinzentas, as emoções
Que me conduzem nesta aventura
Sinto que a essência do meu coração
Se deslumbra no imaginário
Vagueando pelo vento, estremece
Numa alegria difícil de entender,
Mas quando a força me vence
E a solidão me acompanha
Não há contratempo que resista
Nem a vida, sem um amanhã
Olho as nuvens de coração transparente
Sussurro em modo comovente
As palavras mais ternas do meu dicionário.

.
🌼Autora: Larissa Santos.

domingo, 25 de novembro de 2018

Porque partes em desatino ( Poetizando e Encantando )


62.º EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO


Sendo o poetizar a fantasia de imaginários eloquentes
Onde os ideais do sonho são virtude do próprio medo
Residem castos sentimentos, tão dóceis e envolventes
Choram e amam tantos corações, na dor e no segredo


Fria estrada, testemunha do nosso sentir, e cansaço
Onde o nosso destino se cruza na dor e afastamento
Anoto que te ausentas levando no teu trôpego passo
Uma mala cheia de amor, outra, do meu sofrimento
*
Nua estrada, mato envolvente, destino que não é teu
Decides partir, levando contigo o pesar da despedida
Se trocámos palavras de amor e beijos diante do céu
Porque partes, deixando em meu coração esta ferida
*
Se eu te amo, se dizes tanto me amar, qual é a razão
Do teu desvario, esquecendo que dentro do coração
Existe a chama ardente, que aquece a nosso destino
*
Porque partes, meu amor, por essa estrada solitária
Procurando um destino numa conclusão deficitária
Quando sabes que a partida é somente por desatino
*

É com todo o gosto que, por carinho e amor poético, o blogue Brincando com as Palavras, responde, ao convite formalizado no blogue filosofando e encantado, da ilustre poetisa, profª Lourdes Duarte, que pode (e deve) visitar, clicando »»» AQUI

***
Autor: gil antónio
*

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Amor reflectido na cor das águas do mar


Olho o mar: Observo a infinidade das águas
Viajo através dos meus líricos pensamentos
Recordo chorando as minhas tristes mágoas
Insertas nas esculpidas maresias dos ventos
*
Reflicto sobre as intempéries do meu destino
Onde sempre tive o teu amor por companhia
Revejo os becos frios do meu lasso desatino
Secando as frias gotas em lenço de nostalgia
*
O azul do mar se completa pelo além sem cor
Verde esperança qual mensagem de fino amor
Marés fechadas pela melancolia da imensidão
*
Tudo na vida se cura na tristeza sem remédio
Sendo o mar, o refúgio do insuportável tédio
Deixando alegria e amor a inundar o coração

***
Autor: gil antónio

*

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Viagem à gratidão.


As viagens poéticas são o orgulho, a perdição

De quem sonha acordada, e sem ser exigente

São o paraíso, o ilusório, o palco da exaltação

Das palavras que se entranham na minha alma

Mas uma parte de mim divaga na simplicidade

Não sendo poeta, e gostar de escrever, acalma

Esta viagem poética tem gente, na vida da gente

A quem deixo a rosa de gratidão e cumplicidade!

🙏🌹

💋Autora: Larissa Santos

Nasceste em mim ... Ranasci

🍀
Nasceste em mim... e não seria ao acaso
Mas por  um acaso, as vidas se cruzaram
Nessas vidas, as sementes  se cultivaram
Assim nasceu o que melhor tem um vaso
Cresceste em mim, como cresce uma flor
Que protejo das intempéries, vou regando
Delicadas, as minhas mãos e preservando
Para que seja a cumplicidade do teu valor
A vida nos dá tanto com tanta intensidade
Como em amor, em carinho e persistência
Quando a semente é fruto da cumplicidade
Faço de ti, o meu raio de sol ao amanhecer
Olho-te com afecto e sinto a tua resistência
Força que brotou em mim, fez-me renascer.

 💥🙏
🌴Autora Larissa Santos

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Queria abraçar-te ... meu amor


Queria abraçar-te, num abraço apertado
Nunca acabar, apenas ter começado
Sentir em meus braços a tua cintura
Olhar-te assim, terna e longamente
Onde meu coração em paixão ardente
Inundasse o teu, de amor e ternura
*
Queria abraçar-te, como se abraça o mar
Sentir-te em meu corpo e desesperar
Pelo teu beijo de uma doçura perigosa
Deslizar pela tua pele, suave e carente
Ouvir as tuas palavras e ternamente
Penetrar na tua alma misteriosa
*
Queria abraçar-te como só abraça quem ama
Trocar o meu sorriso, pela tua chama
Caminhar pelas curvas do teu esplendor
Beijar os teus lábios, teus olhos, e baixinho
Ouvir os teus gemidos de carinho
Sussurrando: Sou tua, meu amor

***
Autor: gil antónio
*