terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Sou como um ramo de árvore ... partido.


Sou como um ramo partido
Que faz a árvore chorar
Nos campos por onde passo
Nem sempre estarei caido
Essa viagem faz-me pensar
Que vou morrer de cansaço
.
Sei que a árvore não vai sentir
Nem perceber a minha aflição
E no campo continuará a viver
Nem nada me virá pedir
Mas diz-me o coração
Que chorará por não me ter
.
Qualquer ramo que se separe
Da sua querida árvore mãe
Ficará à mercê do vento
Não tem quem o ampare
Sei que muitos destinos tem
Na sua viagem em movimento
.
Será lareira, fino apartamento
Para bem da humanidade
Será fogo, banco de candura
Fina pureza, acolhimento
Cama de bebé, felicidade
Paz e amor, meiga ternura
.
Será carvão, luz da humana vida
Entulho, empecilho do varredor
Mas pensando bem, contudo
Sou um ramo de árvore, partida
Que tanto faz por carinho e amor
Mas será que sou isso tudo?
.
autor: gil antónio
.

35 comentários:

  1. Excelente definição aos ramos/árvores caídas. Muito bom. Uma verdadeira pérola poética!
    Achei graça à 4 estrofe. :)

    Um beijo, Amigo Gil.

    ResponderEliminar
  2. Sempre belle e profonde le tue poesie! Bravo! http://casaninnamamma.blogspot.it

    ResponderEliminar
  3. Meu querido, que poema tão belo. Arrebatador. Parabéns

    Bjos
    Dia feliz

    ResponderEliminar
  4. Uau!!
    Excelente poema. E, se pensarmos bem, os ramos ou árvores são isso tudo. AMEI!!

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Um poema esperançoso e com grandes expectativas.
    Um abraço aos dois, Gil e Larissa...

    ResponderEliminar
  6. Adorei a reflexão. Cheia de humanismo e sentimentalismo.
    Boa semana pra você!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderEliminar
  7. Triste e dramática essa situação de "ramo de árvore,...partido" !
    Curiosa e interessante essa reflexão sobre os sentimentos e destinos !

    Abraço !

    ResponderEliminar
  8. Venho ler as suas sextilhas,
    mas, na bagagem trago quadras
    elas são mesmo umas maravilhas
    bem merecem ser condecoradas!

    Tenha uma boa tarde caro amigo poeta Gil António, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  9. Que profundo Gil. Amei o poema!
    Essa música é linda demais. Parabéns!
    Amigo, obrigada pelo carinho lá no blog. Bjssss

    ResponderEliminar
  10. Isto que acabei de ler, só de um grande poeta inspirado na vida da árvore e o oxigénio que nos oferece e sua utilidade depois de morta, GOSTEI.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  11. Amei as sextilhas bem delineadas e com um profundo sentimento da natureza,que hoje já não sorri como antes,pois o homem cruelmente consegue destruí-la.
    Parabéns Gil pelas palavras.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  12. Larissa,
    Sempre faz bem essa viagem
    nas possibilidades.
    Poesia é esse fluir.
    Linda poesia, adorei
    a construção
    da mesma.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  13. Quantas vezes somos assim esse ramo partido, separado da árvore...

    Bjos

    ResponderEliminar
  14. Três palavras definem esse poema: Singelo, majestoso e arrebatador!
    Beijos afetuosos!

    ResponderEliminar
  15. Um poema bastante profundo! E que nos faz refletir
    Gostei muito

    r: Sem dúvida, concordo totalmente
    Boa semana*

    ResponderEliminar
  16. Nunca tinha pensado mas é tudo isso uma bela fonte de inspiração para a sua poesia!
    bj

    ResponderEliminar
  17. Nunca tinha pensado mas é tudo isso uma bela fonte de inspiração para a sua poesia!
    bj

    ResponderEliminar
  18. Fazendo analogia entre a árvore e o humano... vê-se claramente o quanto se sofre em uma separação... "os galhos de uma árvore"; "os filhos e suas mães"; os enamorados quando separados... Tocante seu poema!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  19. Na vida como nas arvores os ramos tb se vão partindo
    Abraço Gil
    Kique
    https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  20. A sua inspiração não conhece limites.
    Isso eu sei.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  21. ....nada se perde, tudo se transforma.... Sim, somos tudo isso.
    Abraços, Gil

    ResponderEliminar
  22. A natureza segundo Gil Antonio. Amei. Bjokas

    ResponderEliminar
  23. A natureza nas palavras tuas. Amei. Bjokas Gil Antonio

    ResponderEliminar
  24. Até um ramo partido tem a sua utilidade. Nada se perde, tudo se transforma.
    beijos

    ResponderEliminar
  25. Ramo de árvore, partido,
    certamente substituído...
    Ainda que anônimo,
    feliz por ter existido.
    Adh2bs

    ResponderEliminar
  26. Um poema muito belo e tocante... com este belo analogismo entre a árvore e a vida...
    Gostei muito! Mas mesmo quebradas... as árvores têm sempre a capacidade de recomeçar de novo... sendo uma verdadeira inspiração, para nós, por isso!...
    Um grande abraço!
    Ana

    ResponderEliminar