quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Silenciada nas águas do rio.


Perambulo sobre a margem do rio
Onde absorvo o silencio
Enquanto o sol desaparece
Numa paisagem serena
Ficando sozinha, desprotegida
A brisa torna-se amena
Mas o meu corpo treme de frio.
.
Espelham nas águas, reflexos
Do entardecer
E quando a brisa acalma
O silêncio apodera-se de mim
Mas entristece-me a alma
Ver as águas correrem assim
Mistério... ainda complexo.
.
Escuto das águas, o murmurar
O coaxar das rãs
Sinto um aperto no peito
Ao lembrar as palavras vãs
Nesta margem, onde me silencio
Submergida num preconceito
Esperando o dia que haverá de chegar.
 --
🌗

Autora; Larissa Santos

40 comentários:

  1. A passar por aqui para conhecer mais um bonito poema.
    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  2. Puro relaxe num misto de melancolia e esperança!
    bj e gostei de ler

    ResponderEliminar
  3. Adoro ver o por do sol onde haja natureza.bjokas Larissa

    ResponderEliminar
  4. Bom dia. A esperança é a última a morrer, assim diz o ditado popular.Esse dia chegará, basta acreditar. Lindo o teu poema, Larissa.

    Bjo

    ResponderEliminar
  5. Um belo e melancólico poema de que gostei bastante.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  6. Lindo este rio que corre devagar, sem pressa até abraçar o mar!
    Meu abraço segue com ele.

    ResponderEliminar
  7. Há dias em que o silêncio é pesado...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  8. Triste poema.... apesar de belíssimo.
    Ótima métrica e ótima distribuição de rimas!!!

    ResponderEliminar
  9. Com esse fundo musical e suas palavras,nos envolvemos em tão belo poema.
    Parabéns Larissa.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  10. Um poema delicado e extremamente visual! Quase que me senti nesse cenário, a viver esse momento na pele

    r: Muito obrigada :)
    Recomendo aquela história, está maravilhosa

    ResponderEliminar
  11. A observação atenta de um rio é sempre interessante.
    E a que desenvolveste neste poema foi brilhante. Parabéns pela tua criatividade poética.
    Continuação de boa semana, amiga Larissa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Boa tarde, Larissa!!
    Parabéns pelo maravilhoso poema. Amei!!

    Beijo e um excelente dia

    ResponderEliminar
  13. Águas e rios movem nossos pensamentos para o além... Seu poema nos leva a isso! Perfeita trilha sonora! Lindo momento! Obrigada!
    ABraço.

    ResponderEliminar
  14. Olá Larissa, um poema melancólico bem típico de um fim de tarde à beira do córrego com suas águas a serpear; Linda inspiração.

    Bjs e bom fim semana!

    ResponderEliminar
  15. Oi Larissa,
    De poesias você entende e muito bem.Adorei
    Você é jovem, mas quando a água bater na B...., conhecerá a justiça.
    Tentaram me ludibriar várias vezes, eu fui à justiça e sempre ganhei.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  16. Oi Larissa,
    O silêncio às vezes é bom,
    mas pode ser exaustivo.
    Então de fato, nada como
    um dia após o outro...
    Beijos!

    ResponderEliminar
  17. A hora certa sempre
    chegará.
    Pensando na direção que
    tudo tem um tempo
    certo é bom
    aquietar-nos.
    Linda postagens.
    Bjins e/ou Abraço
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  18. Gostei de ler. Um poema que fala de solidão e esperança.
    Abraço

    ResponderEliminar
  19. Tão doce o murmurar deste poema!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Tu nos transportas à doçura agreste em que a poesia enaltece a suposição campestre ou selvagem do sítio imaginário. Lindo poema! Parabéns! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  21. De volta para ler mais um lindo poema
    Bjs
    https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  22. Talvez silenciada pela beleza da paisagem.
    Lindo poema.

    ResponderEliminar
  23. Minha amiga, dispa-se de preconceitos e tristezas.
    Feche os olhos e mergulhe, docemente, nas águas tranquilas desse Lago de paz e amor...sem medo! :)

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  24. Que bela paisagem que este poema descreve.

    ResponderEliminar
  25. O silêncio nos faz bem!
    Quando no silêncio mergulhamos, chegam as lembranças... aquelas que nos fizeram felizes:) e ao mesmo tempo as que nos deram tanta tristeza; a nostalgia que sentimos...nem sempre é pelas melhores lembranças!
    Linda poesia amiga Lrissa:) amei!
    Beijo com carinho! Abençoado final de semana.

    ResponderEliminar
  26. Linda e doce poesia! parabéns querida por mais essa pérola! Abraços

    ResponderEliminar
  27. Amiga, mais uma encantadora poesia, terna, saudosa... Parabéns! Bjuss

    ResponderEliminar
  28. Que maximo amei a poesia, obrigado pela visita.
    Blog:https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderEliminar
  29. Olá, querida amiga Larissa !
    Silenciar para aprofundar... mergulhar na dor até minimizar o golpe sofrido .
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm de paz e bem

    ResponderEliminar
  30. A água tem esse efeito relaxante.
    Água corrente e uma música ambiente apropriada são melhores que qualquer calmante.
    Bjs, bfds

    ResponderEliminar
  31. Gostei da imagem que conseguiste transmitir.

    ResponderEliminar
  32. Olá, Larissa.
    Gostei do teu poema, "Silenciada nas águas do ri", qu tem belos versos como estes:

    "Espelham nas águas, reflexos
    Do entardecer
    E quando a brisa acalma
    O silêncio apodera-se de mim
    Mas entristece-me a alma
    Ver as águas correrem assim
    Mistério... ainda complexo."


    Parabéns, querida amiga.
    Um beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  33. Voltei, Larissa, agora para corrigir o erro que cometi ao escrever o título do teu poema, ao omitir a letra "o"; então declino aqui o nome do teu belo poema:, "Silenciada nas águas do rio".
    Tenha um ótimo final de semana.
    Beijo.
    Pedro
    .

    ResponderEliminar
  34. Eu sempre quis contar esse
    caso, mas tinha vergonha do
    pé 45 que calçava até que abri
    mão do protagonismo da minha
    história e contei.

    Viu, bobinha. Dá para dormir
    em pé, sim.

    Beijos.

    silvioafonso



    .

    ResponderEliminar