sexta-feira, 20 de abril de 2018

Criança brincando ... em interno lamento.


Criança que brincava sobre a relva
molhada daquele campo florido.
Criança que fui, que correu sem parar
arco na mão, deslizando por entre
terras soltas de áridos caminhos
.
Soletrando músicas que minha mãe
cantava quando me ia adormecer.
Canções que entoava sem as saber
Mas tudo era lógico, fazia sentido
nos meigos beijos que me ia dar
.
Existia o solitário banco de madeira
Onde o meu pai se sentava, tocando
Aquele violão de finas cordas partidas
letras de canções gastas e sentidas
cantarolando melodias do tempo.
.
Aquele olhar que me fazia estremecer
Carpiam, riam, faíscas de sentimento
Nos poemas que cantando me ensinava
E que eu aprendia enquanto brincava
em sorrisos alegres de interno lamento
.
Autor: gil antónio
.

43 comentários:

  1. Really stunning words!
    https://itsallabouttheglowxoblog.blogspot.it/

    ResponderEliminar
  2. Ser criança é do melhor que há! =)
    Beijinhos,
    http://chicana.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  3. Bom dia meu querido Gil. Uma "viagem" ao passado, que poderá ter deixado saudades. Muito bom. Adorei. :))

    Bjos
    Dia Feliz.

    ResponderEliminar
  4. Muito linda tua poesia! Sempre inspirado! abraços, ótimo fds! chica

    ResponderEliminar
  5. Voltei no tempo da minha infância. Parabens bjokas

    ResponderEliminar
  6. Gíl, bom dia.
    Brigadin por essa fantástica viagem
    em um tempo maravilhoso
    que da gosto de lembrar e reviver
    atraves da poesia.
    Adoro ler aqui.
    Estive ausente
    e explico la no Espelhando,
    mas ja estou de volta.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde!
    Um poema excelente que nos permite uma viagem ao passado. Lembro-me tão bem das brincadeiras. AMEI!

    Beijos. bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  8. E voltamos sempre aos "lugares" onde fomos felizes...

    ResponderEliminar
  9. Uma idade em que o mundo nos parece PERFEITO!!!
    Um GOSTO de leitura!
    bj

    ResponderEliminar
  10. Uma doce infância em saudades que vem sempre à tona.
    Lindo amigo Gil.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  11. A nostalgia da infância , Gil...

    Cumprimentos poéticos.

    ResponderEliminar
  12. Meu caro Gil, feliz daquele que conserva boas lembranças da infância sob o ancoradouro da família. Eu também sou de um tempo em que criança brincava com brinquedos reis. Hoje as criança brincam com as coisas virtuais.
    Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  13. Voltei para corrigir-me: quis dizer brinquedos reais.

    ResponderEliminar
  14. Lembro-me perfeitamente como se fosse ontem, dos beijos e histórias da minha mãe, do carro de madeira e da flauta de cana feitos por meu pai! Bonito gostei muito!

    Abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  15. Memórias que ficam no tempo...
    Muito belo!
    bom fim de semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  16. Um poema tão terno. Tão bom recordar o que foi bom, na infância.Parabéns Poeta lindo.

    Beijinhos molhados. :)))

    ResponderEliminar
  17. Senti-me um pouco nostálgica... Lindo poema :)
    Bom fim de semana,

    Blogue Recanto com Tempero

    ResponderEliminar
  18. Obrigada pela sua visita Antonio.
    Um blogue de poesia.
    Bem bonito.
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  19. Não havia nada da tecnologia que há hoje, E um arco, uma corda, um pião, até mesmo uma bola de trapos, enchiam-nos de felicidade.
    Abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  20. Hermoso y nostálgico poema.Me ha hecho recordar mi infancia
    Muchas gracias Antonio
    Un abrazo

    ResponderEliminar
  21. Gran poema que nos hace ir hacia atrás en el recuerdo.
    La imagen me recuerda a mi infancia jugando con un aro de las barricas de vino.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  22. Quanta ternura *.*

    r: Espero mesmo que sim!

    ResponderEliminar
  23. Belíssimo poema! Ternurenta foto a recordar as brincadeiras de infância.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  24. Lindissimo!A melhor fase das nossas vidas é a infancia!!como alguem disse um dia `Ó tempo volta pra trás'

    ResponderEliminar
  25. que bonito poema
    https://retromaggie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  26. Poema para recordar a infância, pelo menos no meu caso. Bem intuído!
    Forte abraço,

    ResponderEliminar
  27. Maravilha !
    O poema fez-me lembrar a minha madrinha de guerra.
    Dava-me muitos beijinhos na carola e festinhas. Quem escreve assim não é gago ! E eu sou. Foi de ter apanhado um susto quando escorreguei na relvs atrás do arco. O meu pai continuou a tocar violão e a minha mãe ainda refilou por eu ter sujado os calções.
    Parabéns grande Gil !

    ResponderEliminar
  28. Que beleza de viagem fiz com seu poema Gil.
    Uma linda lembrança numa inspiração gostosa de ler.
    Abraços amigo no bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  29. Amigo Gil António este seu belo poema canta um templo que faz pousada na memória de todos, como se vêm pela estrofe que abre o poema:

    "Criança que brincava sobre a relva
    molhada daquele campo florido.
    Criança que fui, que correu sem parar
    arco na mão, deslizando por entre
    terras soltas de áridos caminhos"


    Um excelente fim de semana.
    Grande agraço.
    Pedro

    ResponderEliminar
  30. Bom dia| Lindo poema, como é bom recordar de uma infância feliz rodeada de carinho, afeto e atenção.
    Um feliz fim de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  31. Um lugar onde nos podemos sempre refugiar, a nossa infancia.
    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  32. Um lindo texto poético, recordando, com saudade, os felizes tempos da infância.

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  33. O melhor de nós são as nossas vivências da infância. Lindo!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  34. Lindo poema, memórias da infância...dos pais, são um refrigério para a alma.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  35. Obrigado de coração a todos os amigos e amigas, visitantes em geral, comentadores/as em particular. Sem vós a poesia não fazia sentido existir.

    Beijinho
    Abraço

    ResponderEliminar