quarta-feira, 31 de outubro de 2018

"Doze meses de cumplicidade Poética"

Resultado de imagem para imagens brincando com as palavras

Doze meses já passaram pelo brincando
Algumas palavras, versos de sentimento
Trocadilhos, cumplicidade, e divagando
Pela doce fantasia do nosso pensamento
.
Doze meses de alegria e doutros olhares
Carinho, compreensão e muita gentileza
Poemas flutuando como barco nos mares
Ofertando amor em poesias e delicadeza
.
Um ano vivido onde sorrimos ao receber
Cada comentário seu, foi a nossa alegria
Para seu gosto, continuaremos a escrever
Sempre que na imaginação exista poesia
.
Doze meses de amor, e grande felicidade
Sendo vós, destinatários, da nossa escrita
Na poesia crescemos e por cumplicidade
A vós oferecemos, este ano de conquista
...................................................

🍀 gil antónio
🌼Larissa Santos

Sirvam-se...
Imagem relacionada

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Coração que nunca amou

( imagem da google)

Não sei explicar, ou sequer se existe
Como encontrou meu duro coração
Como foi que chegou, como o senti
Seria fragmento da robusta aragem?
Que na sua incontrolável passagem
Decidiu descansar, e ficar por aqui?
*
Jamais nossos destinos se cruzaram
Ou dentro da inspiração se olharam
Nesse fadário de um rumo qualquer
Sedutor o amor que em mim entrou
E de suspiros irrefriáveis se molhou
Secando-se no seu corpo de mulher
*
Como uma flor perfumada e viçosa
Sorrio quando penso no doce amor
Não sei porque em meu peito parou
Da sua viagem segura, maravilhosa
Talvez querendo ser suave protector
Deste meu coração que nunca amou

***
Autor: gil antónio
*

domingo, 28 de outubro de 2018

Recordações ao passado. {Poetizando e Encantando}

58ª EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO


Num passado que eu gosto de remexer
Onde existiu o meu mundo encantado
Belas e agridoces lembranças
Cartas escritas com palavras de amor
Locais, onde o paraíso era a dor
Por tanto te amar, loucamente
Mas hoje é assim, este meu viver
.
Passaram anos e eu nunca esqueci
Da bondade do teu coração
Dos abraços dados com emoção
Quando nos encontrávamos sozinhos
Porque não existia a mesma liberdade
Levando-nos a procurar outros caminhos
.
Naquele tempo quem tinha carro era rico
Assim era a ideia de povo
Mas não havia riqueza maior que o interior
O que existia no teu coração humilde
E quando me levaste no teu carro a passear
Existia uma estrada sem saída, para namorar
.
É neste passado, onde gosto de vaguear
Recordar o perfume que me fazia sonhar
Aqueles beijos doces e tão profundos
Enfim, mas a vida segue e deixa saudade
Quando o nosso amor foi tão verdadeiro
Mas o infortúnio roubou-te de mim
Deixando-me apenas, as boas recordações!

  🍀



🌼Autora: Larissa Sant

https://3.bp.blogspot.com/-aWz1V7C8Avw/W9NvkfaSYmI/AAAAAAAAHgM/UWq7cSlw8_M9agPCWSa4tukeOf4Nz6ovACLcBGAs/s400/downloadeeeeeeeeeeeeeeeeeeee.jpg
https://4.bp.blogspot.com/-pr8ZtPSBAsc/WzrLujobI1I/AAAAAAAAHSU/qtdwEmOjzIAW_s7GSxUP157O69rGy_h4ACLcBGAs/s200/il_570xN.611137099_iotqfffffffffffffffffffffff.jpg
Agradecendo o convite à Poetiza e Prfª Lourdes, do BLOGUE Filosofando na Vida. Mais uma vez, ainda que, de uma forma modesta apresento a minha participação. Espero que sejam do agrado de todos os leitores. Tenham todos um abençoado fim de semana.

Resultado de imagem para Flores
Flores para todos (as)

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Que a minha cama não fique tão vazia


Minha cama feita em finos lençóis de linho
Espera-te como quem espera o amanhecer
Vem secar o meu corpo, de ilusão, molhado
Por imaginar a fogosidade do teu encanto
Ofertando doces beijos que penso merecer
*
Dados pelos teus lábios lascivos de doçura
Que sem angústia, nem implacável pranto
Como o açúcar que se derrete devagarinho
Vem receber o meu abraço forte, apertado
Unindo o teu corpo ao meu, em fino manto
*
Vem trocar um beijo sincero, envolvente
Deslizar pela minha pele, até ao infinito
Em que cada gesto seja fluido de fantasia
Onde o teu corpo se moverá, sem quesito
Deixa extravasar a volúpia da exaltação
*
Fazer dos pingos do suor, gotas de magia
Que no amor nos envolverão eternamente
Sabendo que em cada noite, em cada dia
Espero-te a fim de entregar meu coração
Para que minha cama não fique tão vazia

***
Autor: gil antónio
*

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Momentos e horas vazias


🍁
A noite chegou de mansinho
De ti, nem sinal,
Inquietada, num longo silêncio
Uma escuridão invadia
Recantos do meu insano pensamento,
Olhei o céu, sussurrei baixinho
Numa longa confissão
Mas não obtive a resposta
Que o meu coração pretendia,
Fiquei esperando as estrelas e a lua
Numa solidão que me emudeceu
Fazes-me falta aos meus dias
Mesmo quando o sol brilha,
Sabe-lo-às quando me for embora,
E no dia em que chegar a hora
Levar-te-ei no meu coração
Onde cabem sentimentos em demasia
Mas sinto, a minha alma nua,
A noite chegou, e passou
Uma lágrima no meu rosto rolou
É mais forte do que eu, eu sei
Mas num sentimento verdadeiro
Jamais contrario a minha emoção
Olhei o céu, pedi às estrelas por favor
Que não me deixasses sozinha
Porque fazes-me falta por inteiro
Em todos momentos... e horas vazias.

🔼🔽

🌻Autora : Larissa Santos

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Iluminas-me em Luz de Rosa Vermelha ( Poetizando e Encantando)

57.ª Edição do Poetizando e Encantando


Poetizando com versos de plenitude
Mãos cruzadas em oração e ousadia
Encantam-se as almas da juventude
Com palavras de ternura e simpatia


Viajo através das nuvens, arestas de amor
Deambulo por entre os alicerces do saber
Onde a doçura dos teus lábios é rosa flor
De doce aroma, não me consigo esquecer
*
Botão de rosa, vermelho de fino bom gosto
Clareia o sentimento, de um escuro não seu
Sinto a tua presença e a beleza do teu rosto
 Olhar de amor que ilumina o que já se viveu
*
Olho as estrelas. São lindas, clarejam assim
Como aclara o esplendor das belas roseiras
Perfumando o amor de quem se assemelha
*
Por bem-querer está passeando junto a mim
Abandonando a ternura e aroma das estrelas
Que me iluminam como uma rosa vermelha


É com todo o gosto, que me associo, e respondo, ao convite formalizado no blogue filosofando e encantado, da ilustre profª Lourdes Duarte, que pode (e deve) visitar ... AQUI ... oferecendo a minha modesta participação poética.

 ***
Autor: gil antónio

*

domingo, 21 de outubro de 2018

Não sei se fomos os dois um só, noutra vida

https://www.asomadetodosafetos.com/content/uploads/2017/02/sentir-falta-deve-ser-uma-parte-da-vida-nao-uma-maneira-de-viver.jpg 
🍂
Não sei se és tu, se sou eu, se somos os dois
Culpados, deste intempérie que me consome
Quando se soltam as emoções, vem o depois
E apenas me ocorre o teu rosto... sem nome
.
Mesmo que eu nunca reconheça o teu rosto
Existes no imaginário dos meus longos dias
Dormes, e acordas comigo, para o desgosto
Da saudade que me assalta em horas tardias
.
Não sei se fomos os dois um só, noutra vida
Não sei se a noite foi tempestuosa ou calma
Não me lembro. Sei...que enquanto for viva
Tua falta será sentida dentro da minha alma.

 💝

🌻Autora: Larissa Santos

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Palavras escritas no silêncio do coração


Existem palavras, que de tão sofridas
Soam ao ouvido como ruído do vento
Por vezes sonhadas, de dor coloridas
Gravadas no silêncio do pensamento
*
Palavras soltas. Letras ocas somente
Sorrisos caindo, em voz de desgosto
Silêncios que na boca de certa gente
São a mágoa que reflecte o seu rosto
*
Palavras esvaecidas na força do olhar
Em que o silêncio desbrava a sua cor
Tingidas nas letras que fazem sonhar
Fina poesia lida em calafrios de amor
*
Quando um coração ama e comovido
Letra a letra soletra o amor guardado
Mostra a energia do desvario sentido
Em palavras de um amor apaixonado
*
Palavras que se calhar não serão ditas
Mesmo que a vontade seja mais forte
E do coração jamais serão removidas
Nem reveladas depois da triste morte

***
Autor: gil antónio

*

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Sussurros da natureza em desamor

O outono chegou de vez, finalmente
As cores vibrantes, garridas
O chão enfeitado de cores vivas
Umas esvoaçam, outras nem tanto
Deixando a nudez do entretanto
Numa assumida estação, mas instigante,
É o tempo d'agora que ninguém entende
A chuva aglomera as folhas, tão belas
O vento sacode sem dó nem piedade
Inunda pensamentos, ferindo a realidade
Dum deslumbre pelas cores singelas.
E nas enchentes das águas, sem noção
Deixando marcas de desilusão
Levando pela frente com toda a frieza
Tudo, porque não existe escolha,
E numa sombrinha colorida
Recolho o meu corpo das agruras da vida
Do vento, da chuva, do tempo incolor
De uma oscilante natureza,
O outono chegou com o tempo ameno
Com tempestades incontroláveis
São os sussurros da natureza, em desamor.

🌻Autora Larissa Santos.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Saudade em desdita de amor ( Poetizando e Encantando )


56ª EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO


Poetizando o amor em poemas de fino versejar
Eleva-se a alma como verso de sentida doçura
Soltam-se os sorrisos, deixando o coração amar
Na troca dos uns beijos dados em doce ternura


Encostada à varanda, a mulher olhando buscava
Os devaneios que por amor velava na sua mente
Olhos aguados quando o seu coração recordava
Os beijos oferecidos por um amor agora ausente
*
Por um efémero amor que alagou o seu coração
Que a fez acreditar que era o melhor do mundo
Recordando os temores que a sua louca paixão
Se extinguiu na fria água, de um lago profundo
*
Lágrimas de melancolia dos carinhos de outrora
Fazendo o seu coração chorar como chora agora
Pelas vis vicissitudes dessa nostalgia que requer
*
Que a felicidade retome pelas desditas do amor
Em que a saudade não tenha imagem, nem cor
Que tanto faz sofrer, o coração de uma mulher


É com todo o gosto, que me associo, e respondo, ao convite formalizado no blogue filosofando e encantado, da ilustre profª Lourdes Duarte, que pode (e deve) visitar ... AQUI ... oferecendo a minha modesta participação poética.

*** 
autor: gil antónio
*

domingo, 14 de outubro de 2018

Apenas pelo teu amor



Pelo teu amor viajei pelo imaginário
Fotografei os alicerces do tempo
Arranquei as pétalas do vento
Enchi o peito do perfume da chuva
Enfrentei a tormenta e o sentimento
Fui arco-iris, em linha recta, sem cor,
Apenas pelo teu amor

*
Deambulei pela fantasia dos versos
Troquei o sentido das palavras
Saciei a sede nas fontes da poesia
Caminhei pela solidão da noite fria
Limpei as lágrimas, senti o seu amargor
Escolhi os caminhos vadios, isolados
Apenas pelo teu amor

*
Rodopiei pelas veredas do utópico
Quis encontrar-te entre a pureza das águas
Onde afogasse as minhas dores e mágoas
Olhei as minhas mãos que enrugadas
Enfrentei a chuva quando no seu esplendor
Como se fossem pingos da ventania
Apenas pelo teu amor

 *
Vi que a noite tem a serenidade da voz
Que baixinho me disse que entre nós
Existem fogueiras em lume feroz
Onde os sorrisos são luz sem cor
No imaginário que ofusca a escuridão
Nem há luz, nem brilho, nem paixão
Apenas porque não me tens amor

***
Autor: gil antónio
*

sábado, 13 de outubro de 2018

" Mélicos tormentos "

 🌼
Numa doce, e tão realista quimera
Inundada de flores de primavera
Conto as pétalas, alvas, enquanto sonho
Como quem sente a firmeza
De uma eterna convicção
De vir a ser então por gentileza
A Deusa do teu jardim de inspiração,
Sinto no aveludado das folhas
Partículas do carinho, que não confessas
Mas que nos meus sonhos entra.
.
És a pureza do meu eterno pensamento
Quando nos meus sonhos mais profundos
São mélicos, os meus tormentos,
Por isso meu amor, não me impeças
De poder continuar com este sonho,
Em cada pétala peço um desejo
Num sorriso envergonhado, que não vês
Quando conto as horas em segundos
E acordo na fantasia do teu beijo
Mas sobrevivo aos devaneios, outra vez!

 💖
🌼Autora: Larissa Santos 

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Amor em frio embaraço


Caminho sozinho. Vejo as ruas escuras
Onde a clareza se nega a viver e entrar
Folhas esvoaçando, jardins em securas
Onde vive a esperança de te encontrar
*
Perco-me nos horizontes da esperança
Na destreza dos meus passos cansados
Viajo pela curvatura da flor que dança
Perante os meus tristes olhos molhados
*
Sinto como o meu coração te imagina
Quando em cada lugar, e cada esquina
Penso que te beijo, ternura, embaraço
*
Ilusório feitiço dos meus frios segredos
Deixando a negação dos meus enredos
Na inflamada melancolia do teu abraço

***
Autor: gil antónio

*

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Meditação da alma


Da minha janela mirava como nascia o dia
Como as folhas caíam, desamparadamente
Como o vento agreste levava toda a magia
Que a natureza nos oferecia anteriormente
.
Havia colhido algumas flores do meu jardim
Antes que o vento as guiasse, noutro destino
Ainda que as tenha guardadas para outro fim
Olha-las-ei sempre, do mesmo modo obstino
.
E neste espaço, que outrora  havia escolhido
Para a meditação da minha alma, já cansada
De um tempo deprimente e muito ressequido
Dei por mim, meditando, por quem desejava

👀

🍂Autora: Larissa Santos

O teu odor de Galanteador

🍂
Brilhantismo, festa, felicidade plena
O meu coração disparava
O meu olhar observava em redor
Num silêncio absoluto e sereno,
Apenas por ti, eu esperava
Num frenesim qual deusa apaixonada,
Salão vazio mas reservado
A um só momento, tão nosso
De momento entoava a musica de fundo
Era a alegria transbordando
No meu coração cheio de amor
🔼🔽
E o meu pensamento rodopiando
Mas, entre a espera e a emoção
Geravam-se sentimentos genuínos
Na minha alma, pura e comovida,
Imaginava, o teu olhar robusto, sedutor
Mirando meu corpo em exuberância
Deixando-me numa insana vibração,
Silenciavam-se todos os ruídos
Eras tu, que entravas com a elegância
Me olhavas em sentimento profundo
E me conquistavas com teu odor de galanteado.

💗

🌻Autora: Larissa Santos

domingo, 7 de outubro de 2018

Amor em enleado labirinto.



Esse teu sorriso enleador, doce segredo
Teus lábios puros, tentadores e macios
Teus beijos húmidos são meu degredo
Na envolvência dos teus seios esguios
*
Cruzados os labirintos de enleados fios
Clareados na luz dos escuros enredos
Marés vazias, margens de secantes rios
Onde inspiro o aroma dos meus medos
*
Areal corroído pelas águas que ao partir
Destroem os castelos formados na areia
Choram os olhos que não sabem sorrir
*
Olha-se o além como se visse o bastante
Na indiferença das escolhas frias e feias
Vive o nosso amor num ardor constante

***
Autor: gil antónio

*

sábado, 6 de outubro de 2018

Amor Fogueado em Chama


Encanta-me o teu olhar, o gosto do teu carinho
As tuas faces ruborizadas, tua ternura, fantasia
Teu sorriso que me indica a direcção, caminho
Na frescura poética e embaraços da tua alegria
*
Em ti vive este meu amor fogueado em chama
Que arde nas entranhas do sonho de fino lume
Fogo em quente magia que meu coração clama
Irresistível ao aroma inebriante do teu perfume
*
Noite solitária, afectos vadios, olhos chorando
Lágrimas frias de um arejado ar que chegando
Entra em meu quarto de sentimento iluminado
*
Sinto teu amor a chegar, que feliz e ternamente
Vem acalmar o meu sentimento, tão docemente
Arejando o teu olhar o meu coração apaixonado

***
Autor: gil antónio
*

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Poesia sem sonhos

🍁
Entre salpicos e nevoeiros da límpida cascata
Onde bailam os ramos das folhas, já cansadas
As pedras, no fundo  das águas, estão limadas
Pelos momentos passados por ali em serenata
.
Sentem-se as águas agitadas e num só sentido
Observam-se, e fazem-se as grandes reflexões
Lugar libertador, espaço vazio, e nas emoções
Ficam as marcas, agitado momento escondido
.
A força das águas levam as palavras por dizer
As folhas caem, é como a poesia sem sonhos
Inspirações momentâneas, dos rostos risonhos
Existindo sempre as tristezas para contradizer.

 💛
🍁Autora: Larissa Santos.

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Olhando o mar em silêncios de amor ( Poetizando e Encantando)

55ª EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO


Solta-se o imaginário em poemas de rara beleza
Deixando o imaginário pelos versos vagueando
Quando poetizar forma quadras e mélica certeza
Que estamos aqui, no Poetizando e Encantando


Sozinha, deitada na sua rede, olhava o mar indefinido
Manhã primaveril, sereno vento, ondas lentas, suaves
Balançando, olhando o mar, com um olhar comovido
Deixava fluir os pensamentos, ouvia o canto das aves
*
Céu azul, meigas ondas, barcos em viagem, aventura
Imensidão, apáticas serenidades, sussurros das águas
Quentes areais, silêncios decifráveis, odes de ternura
Reflexões sentidas, amores recordados, ocas mágoas
*
Curtindo o lindo lugar, uma jovem feliz, deslumbrada
Olha a orla marítima, que ali a acompanha desnudada
De preconceito, de oca chama, da solidão comovente
*
Uma praia deserta, doce paisagem de fé, suave vento
Uma cálida brisa, chega do além, como voz de alento
Trazendo a doçura de um beijo do seu amado ausente

*

É com todo o gosto, que me associo, e respondo, ao convite formalizado no blogue filosofando e encantado, da ilustre profª Lourdes Duarte, que pode (e deve) visitar ... AQUI ... oferecendo a minha modesta participação poética.

***
autor: gil antónio

**


segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Sussurrei ao mar.

💥
Visitei o mar mesmo com tempestade
Sussurrei-lhe palavras de amor
Sorri, chorei de emoção
Libertei-me,
Deixei fluir os meus pensamentos
Esperei que o sol fosse embora
E, contemplando o mar
Entreguei o meu coração ao destino
Das ondas matizadas de paixão,
.
No horizonte avistava com glamour
Algo semelhante
Ao teu sensível coração,
Esperei a tempestade passar
Para então poder receber com motivos
Aquela energia que me faz libertar
E entregar-me de alma e coração
Aos teus pedidos,
Que por mim, serão sempre cumpridos!

💞 
🍂Autora:Larissa Santos