quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Utopia de um Amor delirante


Dura chama que arde incessante dentro do meu peito
Lençóis molhados pela dor, mar bravio em meu leito
Lava de vulcão escorrendo pelos sonhos de desamor
.
Pesadelos estonteantes em devassa e volúpia loucura
Que me acalma, faz suar, adormece, queima e tortura
Na insolência da noite, e virgíneos encantos do amor
*
Navego nos desejos esculpidos nas vozes incoerentes
No odor da tua pele, olhares entre beijos envolventes
Em que sorvo o aroma, de sentimentos vazios, irreais
.
Imagino ser o imaginário que me está desencantando
Ou será o silêncio do segredo, que me vai embalando
Nos meus emotivos exílios, gelados, tristes, Outonais
*
Ouço o meu grito na arqueação de um sonho cansado
Insânia sentimental vivida na explosão do meu brado
Neste amor que te dedico que sei ser tão apaixonante
.
Que só se serena quando exausto, consigo adormecer
Da vida, da ternura, da paixão, de ti, decido esquecer
Secando meu coração, na dor d'uma utopia, delirante

***
Autor: gil antónio

*

Amor servido em copo de carinho


Não preciso saborear um amor fingido
Que na incerteza à minha mente aflore
Nem do prazer que por vício se demore
Na degustação de um vinho embriagante
Na formosura de um copo, oferecido
Por incompreensão, na fantasia, partido
Que me inebrie, e esqueça num instante
*
Preciso d´um amor firme, amigo, seguro
Que como o vinho fresco extraído da uva
Lave meu coração como pingos de chuva
Abençoe a minha alma de amor sequiosa
Proteja a minha essência como uma luva
Que de mim retire o pensamento impuro
Invisível, tão falso, como cobra venenosa
*
Quero um amor, que ilumine o caminho
Que quero trilhar, sem que viaje sozinho
Que seja como a vinha que dá belo fruto
Me deseje, e entenda a minha existência
Que me beije, me saboreie, em absoluto
Desejando o vinho na sua pura essência
Comigo degustando um copo de carinho

***
Autor: gil antónio
*

terça-feira, 27 de novembro de 2018

As palavras ternas do meu dicionário.

★★
Olho as nuvens com olhar sorridente
Coração que vibra, carente
Libertando numa doce declaração
A fragrância feita felicidade,
Quando olho o sol, mas escondido
Por detrás, dum imaginário arco íris
Sinto a chuva, o sol, a turbulência
Sinto no coração, o ex-libris
O consolo, duma solidão anunciada
Para contento da minha liberdade
Mas onde o meu coração é dividido
Procuro nos recantos das recordações
As palavras em doce ternura
E nas nuvens cinzentas, as emoções
Que me conduzem nesta aventura
Sinto que a essência do meu coração
Se deslumbra no imaginário
Vagueando pelo vento, estremece
Numa alegria difícil de entender,
Mas quando a força me vence
E a solidão me acompanha
Não há contratempo que resista
Nem a vida, sem um amanhã
Olho as nuvens de coração transparente
Sussurro em modo comovente
As palavras mais ternas do meu dicionário.

.
🌼Autora: Larissa Santos.

domingo, 25 de novembro de 2018

Porque partes em desatino ( Poetizando e Encantando )


62.º EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO


Sendo o poetizar a fantasia de imaginários eloquentes
Onde os ideais do sonho são virtude do próprio medo
Residem castos sentimentos, tão dóceis e envolventes
Choram e amam tantos corações, na dor e no segredo


Fria estrada, testemunha do nosso sentir, e cansaço
Onde o nosso destino se cruza na dor e afastamento
Anoto que te ausentas levando no teu trôpego passo
Uma mala cheia de amor, outra, do meu sofrimento
*
Nua estrada, mato envolvente, destino que não é teu
Decides partir, levando contigo o pesar da despedida
Se trocámos palavras de amor e beijos diante do céu
Porque partes, deixando em meu coração esta ferida
*
Se eu te amo, se dizes tanto me amar, qual é a razão
Do teu desvario, esquecendo que dentro do coração
Existe a chama ardente, que aquece a nosso destino
*
Porque partes, meu amor, por essa estrada solitária
Procurando um destino numa conclusão deficitária
Quando sabes que a partida é somente por desatino
*

É com todo o gosto que, por carinho e amor poético, o blogue Brincando com as Palavras, responde, ao convite formalizado no blogue filosofando e encantado, da ilustre poetisa, profª Lourdes Duarte, que pode (e deve) visitar, clicando »»» AQUI

***
Autor: gil antónio
*

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Amor reflectido na cor das águas do mar


Olho o mar: Observo a infinidade das águas
Viajo através dos meus líricos pensamentos
Recordo chorando as minhas tristes mágoas
Insertas nas esculpidas maresias dos ventos
*
Reflicto sobre as intempéries do meu destino
Onde sempre tive o teu amor por companhia
Revejo os becos frios do meu lasso desatino
Secando as frias gotas em lenço de nostalgia
*
O azul do mar se completa pelo além sem cor
Verde esperança qual mensagem de fino amor
Marés fechadas pela melancolia da imensidão
*
Tudo na vida se cura na tristeza sem remédio
Sendo o mar, o refúgio do insuportável tédio
Deixando alegria e amor a inundar o coração

***
Autor: gil antónio

*

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Viagem à gratidão.


As viagens poéticas são o orgulho, a perdição

De quem sonha acordada, e sem ser exigente

São o paraíso, o ilusório, o palco da exaltação

Das palavras que se entranham na minha alma

Mas uma parte de mim divaga na simplicidade

Não sendo poeta, e gostar de escrever, acalma

Esta viagem poética tem gente, na vida da gente

A quem deixo a rosa de gratidão e cumplicidade!

🙏🌹

💋Autora: Larissa Santos

Nasceste em mim ... Ranasci

🍀
Nasceste em mim... e não seria ao acaso
Mas por  um acaso, as vidas se cruzaram
Nessas vidas, as sementes  se cultivaram
Assim nasceu o que melhor tem um vaso
Cresceste em mim, como cresce uma flor
Que protejo das intempéries, vou regando
Delicadas, as minhas mãos e preservando
Para que seja a cumplicidade do teu valor
A vida nos dá tanto com tanta intensidade
Como em amor, em carinho e persistência
Quando a semente é fruto da cumplicidade
Faço de ti, o meu raio de sol ao amanhecer
Olho-te com afecto e sinto a tua resistência
Força que brotou em mim, fez-me renascer.

 💥🙏
🌴Autora Larissa Santos

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Queria abraçar-te ... meu amor


Queria abraçar-te, num abraço apertado
Nunca acabar, apenas ter começado
Sentir em meus braços a tua cintura
Olhar-te assim, terna e longamente
Onde meu coração em paixão ardente
Inundasse o teu, de amor e ternura
*
Queria abraçar-te, como se abraça o mar
Sentir-te em meu corpo e desesperar
Pelo teu beijo de uma doçura perigosa
Deslizar pela tua pele, suave e carente
Ouvir as tuas palavras e ternamente
Penetrar na tua alma misteriosa
*
Queria abraçar-te como só abraça quem ama
Trocar o meu sorriso, pela tua chama
Caminhar pelas curvas do teu esplendor
Beijar os teus lábios, teus olhos, e baixinho
Ouvir os teus gemidos de carinho
Sussurrando: Sou tua, meu amor

***
Autor: gil antónio
*

Infinito de Amor..


Não sou poeta. Meus versos são inconsistentes
Tento escrever como é adorar dentro da poesia
Talvez não tenha palavras de amor, suficientes
E jamais imaginei, que alguma vez as escrevia
*
O infinito do amor é para além do indescritível
Por mais que se sinta, não deixa de ser bendito
Existirá sempre aquele vil desígnio, inatingível
Que nunca um douto poeta, terá lido ou escrito
*
Caminho pela doçura da querença e sua beleza
Em que o amor molha a alma na sua grandeza
De cujo intérmino jamais teremos a percepção
*
Associo os meus versos à chama do doce ardor
Alimento a minha poesia das palavras de amor
Assim, não sendo poeta, é feliz o meu coração
*
***
Autor: gil antónio
*

domingo, 18 de novembro de 2018

Beijas-me com o teu olhar. [Poetizando e Encantando]

61ª EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO.

★★
Olhas-me nos olhos, abraças-me, sorris
Entrelaças as tuas mãos viris
Nas minhas ancas trémulas
Sentes o aroma que exala o meu corpo
Os teus olhos sorriem
E em malícia mordes os lábios.
Olho-te, sinto o meu rosto corado
Talvez seja o meu desejo
Num turbilhão de pensamentos
Quando te sinto, não te resisto
Porque no nosso amor cimentado
És tudo, o que tanto almejo.
No jardim onde nos encontramos
Um sol brilhando pela manhã
Florescem as flores, tudo é magia
Até os nossos lábios sedentos
Se colam, ternura que nos contagia
Quando por momentos nos amamos.
Sussurras-me, beijas-me com o teu olhar
Elogias a minha veste encarnada
Admirarmos o nascer do sol, o desabrochar
Da natureza que nasce de madrugada.
💕
🌹Autora: Larissa Santos

 

Mais uma semana, mais um edição. É com orgulho que "me associo/nos associamos" à brincadeira poética. Agradeço à Profª e Poetiza Lourdes Duarte, do BLOGUE Filosofando na Vida. pelo convite deixado. Assim como, espero ser do agrado de quem me visita, lê e comenta...Obrigada. Óptimo sábado para todos.
Imagem relacionada 
Flores para aromatizar o seu fim de semana. Leve a sua.

sábado, 17 de novembro de 2018

Teu beijo, na Luz, de outra Vida


Teu beijo, meu sonho, meu desejo constante
Quero amar-te aqui, além, no cimo da serra
Sentir a tua felicidade num abraço delirante
Sabendo que este meu amor um dia encerra
*
Não sei explicar este sentimento profundo
Peça de arte, caule de flor, diamante bruto
Luz de aromado amor que clareia o mundo
Renovando-se na tua ternura, num minuto
*
Vives em mim num pensamento enriquecido
Onde o imaginário se integra no verbo amar
Diz meu coração, que é um amor, enaltecido
Porque o meu coração, sem o teu, vai esfriar
*
Mesmo que a luz do carinho, perca claridade
E que escolhas outra afeição em voz sentida
Existirás em mim, num amplexo de saudade
Até que receba teu beijo na luz de outra vida

***
autor: gil antónio

*

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Trilhos da Solidão

Imagem relacionada 
★★
Quantas vezes vagueio, pelos trilhos da solidão
Procurando encontrar a paz, no meio d'um nada
E quando sozinha me sinto, não existe exaltação
Apenas gotas de orvalho alimentando a jornada

Crescente orvalho, salpica os meus embaraços
Quando imergidos, parecem a chuva miudinha
Que me fere, e deixa meu coração em pedaços
Nesta solidão, por onde, minha alma, caminha

Não sei se é do relento onde, por amor, vagueio
Pelos pensamentos, que  me guiam aquele lugar
Imaginar que lá te encontro, é intenso devaneio
Para partilhar coisas minhas, e poder-te abraçar

🌻Autora: Larissa Santos

"Dando asas ao coração"

💙
Não, não desistas do meu mundo
Daquele, que eu construí contigo
Não desistas, e nunca te esqueças
Do caminho que me abriste para seguir
Quando me encontraste tão sozinha,
Ouvíamos as mesmas e intensas musicas
Éramos quase perfeitos
Não fosse a minha mente ter defeitos
Mas não desistas dum mundo que é tão meu
Mesmo que este sonho seja irreal
Contigo deambulo através do teu sorriso.
💧
Até as aves esvoaçam acompanhadas
E se amando seguem os seus caminhos
Mesmo que no céu façam os seus ninhos
Esvoaçam em liberdade, nunca abandonadas
💧
Não desistas do meu mundo colorido
Mesmo que a solidão me atormente
E te queira afastar de mim, mas
Sentir-te algures no meu pensamento
Quando olho o céu azul e contemplo
Toda a natureza que passou por mim
Imagino-nos deambulando assim
Sob as nuvens delicadas em algodão
Onde me imagino no mundo só contigo
Dando asas para voar, ao nosso coração!

💙
🌼Autora: Larissa Santos

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

"Concha" feita corpo de mulher


Viajando através do destino
Molhei os pés na água do mar
Passeei pela praia deserta
Vi como chegavam as ondas
Que beijavam o meu caminho
*
Apanhei uma concha diferente
Chegava do além, do infinito
Parecia para mim olhar
Voz rouca, incerta, sabia falar
Era uma concha em forma de gente
*
Estava escrito na luz do firmamento
Que a concha a mim se destinava
Assim, nem por um momento
Deixei que o meu pensamento
Se desviasse da concha que chegava
*
Meus olhos sorriram porque sequer
Já tinham visto uma concha igual
Toquei-a. A concha se fez mulher
Nossos olharam se encontraram
Ficou em meu coração e ponto final

***
Autor: gil antónio
*

domingo, 11 de novembro de 2018

Solidão poética na noite escura ( Poetizando e Encantando )


60ª Edição do Poetizando e Encantando


Escrevendo versos nos capítulos da silenciosa ironia
Vagueando pelos alicerces do abraço e pétalas da flor
Ressalvam-se dos momentos de tristeza e melancolia
Provas escritas em sentidas palavras de melado amor


Passado o dia, chega a noite, sento-me naquele banco
Sozinho, na pacatez da lua, que me diz estar presente
Curvo o cansado corpo, fluem os versos, no entretanto
Na solidão do meu coração que te amará eternamente
*
Áridos pensares, em que o escuro, é nobre companhia
Ocupam a voz do meu imaginário, corajoso e solitário
Olho a lua, leal companheira de uma noite triste e fria
Onde no gelado banco, vivo a solidão em duro calvário
*
Não senti o pôr-do-sol, que ocorreu antes da chegada
Nem o entardecer, que fez parte da minha caminhada
Poemas de Outono, ventos sem destino, nem fantasia
*
Isolado da noite gélida, escura, em que surge o vento
Testemunha do meu quimérico e poético pensamento
Vagueio no esplendor da ternura, da iluminada poesia
*


É com todo o gosto, que me associo, e respondo, ao convite formalizado no blogue filosofando e encantado, da ilustre poetisa, profª Lourdes Duarte, que pode (e deve) visitar ... AQUI ... oferecendo a minha modesta participação poética.

***
autor: gil antónio
*

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Teu olhar ... me seduz



São os teus olhos o perigo que me seduz
Que faz parar o meu olhar quando sente
Ao teu corpo, meu louco desejo, conduz
Volúpia de amor que me aquece a mente
*
É o luar testemunha desta paixão ardente
Que me deixa sem robustez e desvairado
Excita-me a libido esse teu olhar, carente
De um amor fulgente, doce e apaixonado
*
Iluminam o Céu, estrelas em luz dourada
Fulgor dos teus olhos, volúpia extasiada
Doce ternura desse teu libidinoso sorriso
*
Não me olhes com esse olhar açucarado
Quando sabes que por ti sou apaixonado
E facilmente caio num mundo sem juízo

***
Autor: gil antónio

*

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Se soubesses, como brilha o sol em mim.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé, céu, oceano, criança, ar livre e natureza
🍁
Se soubesses, o tamanho do meu amor
O tamanho dos meus braços estendidos
Quando te esperam ternos e comovidos
Recatados, porque somos um só clamor
.
Se soubesses como brilha o sol em mim
Quando te aproximas, com o teu abraço
Sorris, beijas-me o rosto num embaraço
Deixas marcas do teu perfume a jasmim
.
Mas não basta o sol brilhar para resistir
Todo o amor que existe no meu coração
Simplesmente porque não quero desistir
.
Não desisto do teu carinho mas confesso
Naquele momento, me tocaste a emoção
E o meu coração amar-te-à, sem excesso.
💖

🌻Autora Larissa Santos

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Desnorte na Morte do Sentimento


Vi a morte no desnorte do sentimento
Reparei na longitude do imaginário
Manhã. O galo canta, anuncia o dia
A escura noite havia chegado ao fim
*
O sonho foi parceiro da minha mente
Olhei as estrelas que me iluminavam
Quis beijá-las com beijos enfeitados
Dormi no berçário da magia poética
*
Em meu rosto tocou uma leve brisa
Que chegava do alto, do além, de lá
Caia uma chuva miúda, maçadora
Passei por entre os pingos agrestes
*
Ventos faziam ondular os aciprestes
Viajei através das cores do arco-íris
Senti mágoas, verti gotas de solidão
Fui a luz do candeeiro da avenida
*
Recitei melodias, palmas fantasiei
Porventura através do infinito, viajei
As palavras foram versos de ocasião
Numa lógica circundante à realidade
*
Olhei-te. Beijei as costas da tua mão
Percorri serras, fui poeta de momento
Olhei a aurora. Senti que na verdade
Fui desnorte na morte do sentimento

***
Autor: gil antónio
*

domingo, 4 de novembro de 2018

"Sofrendo de saudade". {Poetizando e Encantando}

 59ª EDIÇÃO DO POETIZANDO E ENCANTANDO


🍂
As águas inquietavam o meu sentimento
Via partir um pedaço de mim
Num reboliço ficava o meu coração
Saudade, e um aperto no peito,
Saber-te distante de mim era tormento
Quando seguimos viagem
Para os lados opostos da margem,
É tão duro desligar-me deste jeito
Ainda que saiba que irás voltar
Não aguentarei, esta saudade faz doer
.
Sentada num barco feito de amor
Usava o vestido que havias oferecido
Um padrão escolhido com primor
As flores que adornavam o meu vestido
.
Saber-te distante, pelas águas agitadas
E o meu coração em discrepância
Não aguenta esta terrível distância
Mas sabe-lo-às quando regressares,
Nunca as águas do rio me haviam assustado
Não sei, é o que o meu coração sente
A tua partida deixou mossa no meu coração
Ainda que voltes para os meus braços
Confesso, já não sei viver sem ti
Prefiro viver esta vida sofrendo a saudade.

🌹Aurora: Larissa Santos 


https://4.bp.blogspot.com/-pr8ZtPSBAsc/WzrLujobI1I/AAAAAAAAHSU/qtdwEmOjzIAW_s7GSxUP157O69rGy_h4ACLcBGAs/s200/il_570xN.611137099_iotqfffffffffffffffffffffff.jpg

Mais uma vez tenho o gosto em colaborar com o Poetizando e Encantando, do BLOGUE da Professora e Poetiza Lourdes Duarte. Modesto, pois não pretendo competir com ninguém...sou eu mesma. Espero que seja do agrado de quem lê, sobretudo de quem nos comenta...Grata.

Imagem relacionada 
Flores, para perfumar o vosso fim de semana.

sábado, 3 de novembro de 2018

Amor abençoado



Outono. A Primavera chega ao fim
Secam-se os jardins, devastação
Ficam as flores, aroma de alecrim
Que vivem dentro do teu coração
.
Reacende-se a vida. Vem nova paixão
Amor seguro, luz em noite escura
Carinho que adoça o teu lindo coração
Como velas acesas de chama e ternura
.
Aprende-se que a vida é um segredo
Que ninguém consegue desvendar
Sabe-se que não é decerto por medo
Mas sim, por alguém, o saber guardar
.
Depois de um frio Outono, chegado
Onde pela natureza “morre” uma flor
Só não morre este desejo abençoado
Que eu tenho por ti, meu doce amor

***
Autor: gil antónio
*

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

"Amantes" num Universo de apetência.


Palmilho as ruas, salto muros, percorro o mundo
Busco nas bases do destino o que penso ser meu
Onde o devaneio mais firme, sincero e profundo
É quando o meu coração bate, se unindo ao teu
*
Procuro-te nas margens do silêncio que entendo
Ser o local onde a tua alma me conseguirá ouvir
No interior do teu coração, sabes que, querendo
O meu coração, tendo o teu, não parará de sorrir
*
Nascemos num universo de apetências distantes
Mas o nosso coração viaja através do amanhecer
Noutras vidas, no amor, se calhar fomos amantes
*
Nossos olhares se encontram nos desejos quando
Nossos lábios se unem na magia do nosso querer
Nos lirismos da existência que nos estão ligando

***
Autor: gil antónio
*