quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Campos ondulando em flor, afectos infinitos


São os campos sinceros jardins de amor
Onde os teus olhos são límpidos delírios
Margaridas se beijando, lírios de louvor
Sorrisos de magia, tentações e martírios
.
São os campos verdade e pureza infinita
Ósculos cambiados em ventos de afecto
Onde qualquer pétala, por amor se agita
Toques de luxuria em libidinoso dialecto
.
Deleite e malícia em flores apaixonadas
Que leve, levemente, se vão ondulando
Com carinho são as margaridas amadas
Fazem lembrar nossos lábios se tocando
.
Olho o teu corpo despido de preconceito
Pequenos nadas em silêncio, que depois
Folhas de boninas que aromam teu jeito
Fluidos de amor existente entre nós dois
..................................................
Autor: gil antónio
.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

As máscaras da ilicitude.


Tanta gente se mascara mas tu não és assim
Tantos vegetam na necessidade da ilicitude
Tu és sublime e pura como a flor de jasmim
Porque tu partilhas a simplicidade e virtude
.
Tem o teu olhar a beleza dos áridos desertos
A subtileza do carinho, a doçura do coração
Tanta gente se mascara de sorrisos incertos
Quando tu te mascaras de bondade e perdão
.
Tanta gente germina pelas palavras sombrias
Onde calam a fidelidade atrás das falas ocas
Entram na noite dentro da podridão dos dias
De termos intrujões que saem das suas bocas
.
São os outros túmulos de deprimida duração
Citações maculadas de desespero oferecido
São suas máscaras ultrajes de dor e coacção
Por bondade e amor nunca terem conhecido
.
Nas palavras infiéis não se compra o oposto
Ocultadas dores que vivem dentro de um ser
Por isso amo a máscara que tapa o teu rosto
Que guardarei em mim até um dia … morrer

 ......................................................................
Autor: gil antónio
....

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Palavras retidas.

Resultado de imagem para imagens

Queria escrever-te uma carta que fosse
Nem que fosse a derradeira. Escreveria
Com a mesma emoção  do primeiro dia
Não mudaria neste genuíno sentimento,
Nesta carta deixava a palavra mais doce
Aquela que não imaginas. Sem tormento
Porque a caneta escreve em pura emoção
Tu não lês, minhas palavras estão retidas
Dentro deste pequeno e saudoso coração.

---

Autora Larissa Santos

domingo, 28 de janeiro de 2018

Sou terra e mar...Sou sol e lua

  
Sou o pensamento que voa
por horizontes proibidos.
A tempestade que invade as praias desertas.
Sou como as ondas que dançam,
e mudam de rumo,
a maresia que bate em teu rosto,
por onde vagueio.
Sou, o pedaço de chão
por onde te perdes sozinho.
O vento que passa e te sussurra baixinho.
Sou tantas vezes o sol,
outras vezes a névoa que se entristece...
.
Sou, quantas vezes a incompreensão,
o conflito,
onde submeto a força do meu coração.
Quantas vezes me sinto
em bipolaridade inconstante,
como a fúria do mar, num turbilhão de emoções.
Mas, de repente,
sinto-me a terra parada,
onde o vazio se apodera de mim.
Sou, por vezes,
o amanhecer e o sol, que te entra pela janela.
Outras vezes, a tristeza,
a desilusão, que se vence pelo cansaço.
Sou terra e mar, sou sol e lua,
sou tudo aquilo que quiseres,
desde, que me sintas tua...❤
---
Autora: Larissa Santos

sábado, 27 de janeiro de 2018

Doce paisagem do teu sorriso, qual azul do Mar.




Teu sorriso a paisagem do meu caminhar infinito
O azul do mar, a transparência das ondas revoltas
Sonhos que deslizam por calçadas de xisto
Num amor sonhado, confesso em palavras soltas
.
Devassa origem num escuro de nada, tão pálido
Versos sorridentes por um caminhar sombrio
Frescura da noite, qual mar de sonho inválido
Onde os corpos se amam e se esquecem do frio
.
Liberto de ansiedade, vagueei por areais desertos
Onde o vulto do silêncio me lembrava o teu abraço
Passos inseguros, trémulos pelo vagueio incerto
Como se os teus passos fossem o meu cansaço
.
Porto seguro onde meus olhos navegam no vazio
Molhados sentimentos de um amor transparente
Calor sentido no vácuo sentimento, amor baldio
Onde os barcos mareiam num sentido indiferente
.............................................
Autor: gil antónio
.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Adejam pétalas ... como lábios se beijando.


Adejam pétalas ao sabor de ventos desconhecidos
Libertas de amargura, viajando por solto caminho
Diluem-se pelos prados entre utópicos esquecidos
Espalhando formosura, pelos campos, sem destino
.
Pétalas que se espalham por desertos imaculados
Soltas pelas planícies, como um ósculo adejando
Felizes. Deambulando em toques descontrolados
Como lábios de ternura quando se estão beijando
.
Dispersam-se como sementes por terras incultas
Fertilizam encostas, vales, em oposições ocultas
Outras flores serão vida numa emoção crescente
.
Novos alentos nascerão em campos de liberdade
Por onde a natureza segue um rumo de felicidade
Mostrando que as pétalas são dádiva, permanente
.
Autor: gil antónio
.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Amanhecer inquietado

Imagem relacionada
Neste amanhecer inquietado
Ouço os ecos
Da chuva que cai
Sobre o jardim florido
Que sustenta a minha alma,
Desinquieta
Espreito pela janela
Numa constatação
Que invade o meu coração
,
No telhado onde confundo
O ecos da chuva
Com a música de fundo
Deixo-me ficar
Neste meu longo silêncio
Esperando
Porque a chuva há-de passar
,
E neste retiro da melancolia
Fecho-me, no meu eu
Desfolho meras lembranças,
Olhos lacrimejados
Cansados,
Desejando um novo amanhecer
Com renovadas esperanças
Mesmo,
Que não pare de chover...


Autora: Larissa Santos

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Degustação em universo sagaz

 Foto de Carolina Rodrigues.
Degusta o vinho que o meu corpo oferece
Momento inquieto, o arrepio sem sentido
A minha pele aveludada que não esquece
O toque das tuas mãos, momento contido
.
Lês-me o pensamento em rimas e versos
Viajas nos recantos da minha embriaguez
Saboreias-me no momento mais perverso
Da imaginação, no momento de sensatez
.
Viaja nas montanhas do meu universo sagaz
Respeita os apeadeiros que te fizerem parar
E verás, que o tempo te convida a degustar
.
Olha meu corpo embriagado que te satisfaz
Numa visão real, o tempo causa-nos aflição
Quando nós dois, naufragarmos, na sedução.
--

Autora: Larissa Santos

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Amor ... ou castigo do coração?


Amam-se as árvores, as marés, as flores
Os olhares, doces corações embebecidos
Tudo é vão como vazias são as vis dores
Traídas emoções em ósculos prometidos
.
Sinto na alma essa emoção e douto pavor
Que arde em mim como lume queimando
Abrasada noção de um beijo cheio de dor
Intenso fascínio que em mim foi entrando
.
Não é culpa tua esta cansada incoerência
Que me queima e dói em dura insistência
Que me diz não saber meu coração, amar
.
Deixando-me vegetar neste infernal tédio
Não sabendo se és tu o precioso remédio
Que cure a dor que teima em me castigar
.
Autor: gil antónio
.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Murmúrios em desnorte.

Nos murmúrios da minha alma em desnorte
Onde a sombra da solidão gélida, permanece
À minha volta as árvores desnudas sem sorte
Reflexos de um gélido momento, que esvaece
.
Loucos. Os sentimentos que não me libertam
Não trazem calor à minha alma, que vagueia
No meio do nada, apenas tristezas despertam
Palavras de outrora, o meu pensamento receia
.
Tristes são os momentos em duras recordações
Quando existe frio invadindo a alma, são lições
Mesmo que o coração não aceite a contradição
.
Neste desnorte que sinto, não deixarei de amar
São gélidos os momentos que me fazem chorar
Sufocados murmúrios onde és a minha perdição.

--

Autora: Larissa Santos

sábado, 20 de janeiro de 2018

Amor, puro sentimento, relevante fascinação.


Quando o amor é mais que um sentimento
No espírito insere lágrimas de puro pranto
Doçura inserta na meiguice do pensamento
Expondo em esplendor todo o seu encanto
.
Viver esse amor como dádiva do momento
Olhar a noite e ver nas estrelas suave sentir
Viver o instante, qual laço de envolvimento
Afectuoso afecto que alegra o nosso existir
.
Que o teu carinho para sempre me procure
Traga a felicidade que não abracei, não tive
Minha ventura, me tome em sua protecção
.
Um amor que no infinito leal, sempre dure
Que avolume a minha alma que por ti, vive
Qual lume brando que aquece meu coração
.
Autor: gil antónio

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Aves que esvoaçam ... Afastamento dilacerante...

Resultado de imagem para imagens solidão
As pessoas entram nas nossas vidas, não é por acaso. Não é por acaso que, quando temos, nem que seja um só amigo(a), nunca estaremos sozinhos. ( Já diz o ditado). Mas, se ESSE amigo(a), nos falta, o chão foge-nos por completo.
Não tenho muitos amigos(as), mas os que tenho, penso serem verdadeiros. São tão poucos aqueles que, nos dão os bons dias sem outras intenções. São tão poucos os que se importam connosco/comigo. São tão poucos os que reconhecem quão útil lhe somos, e quão bem lhe fazemos.
Não importa quantos amigos tenho -  quando tenho UM - que me enche as medidas, que reconhece o meu esforço. A minha dedicação, a minha cumplicidade. Amigos são a família que escolhemos, com quem queremos partilhar momentos da vida, sejam eles tristes ou alegres.
.
"Amigos, não servem só para nos dar pancadinhas nas costas e dizer ámen a tudo. O mais importante de uma amizade verdadeira e sincera, é saber, que nos momentos difíceis ELES, estão lá. ou NÓS, estamos aqui.."
 .
Hoje, sinto o mundo afastar-se de mim ...Sinto o meu pequeno mundo a desabar, sinto-me a ficar sem chão, neste meu pequeno espaço onde apenas me acompanha a musica de fundo, as quatro paredes e o teclado do meu computador. Imaginando as cores da vida e as aves que esvoaçam num afastamento dilacerante. Não me queria imaginar sozinha, sem chão. Sem aquele amigo. Sem o calor humano... Não existe nada mais triste, que abrir a janela, e não te encontrar mais. Apenas a nebulosidade dos dias cinzentos e tristes.

 [Pode a minha ajuda não servir de nada, mas se puderes dividir comigo "a tua dor", torna o teu sofrimento mais leve]*
--
Autora: Larissa Santos

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Térreos e difíceis caminhos ... de amor


Tristes e solitários caminhos que de repente
Se deixam cruzar pelos alicerces desta vida
Sendo que um coração só por estar carente
Não pode deixar a sua génese ser esquecida
.
Traiçoeiros são os passos desse alheamento
Com que caminhas, olhar altivo, aprumado
Ignorando este meu perceptível sentimento
Mostrando teres um coração seco, alienado
.
Irracionais serão os límpidos pensamentos
Que unem um coração, a um desleal olhar
Traidores são todos esses duros momentos
Em que meu coração sofre por tanto amar
.
autor: gil antónio
.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Amor:- Essa dor Oculta

Transporto no peito essa dor oculta
Memórias do afecto por nós vivido
Sentimento de amor que me insulta
Por nunca teus beijos ter esquecido
.
Caminho em gestos vazios no tempo
Tão vazios como efémera é a ternura
Ouvindo os rumores do pensamento
Revivendo os teus beijos, alma pura
.
Ofereço-me por completo na desdita
Manto sagrado onde o amor dormita
Sonho pintado pelo mais hábil pintor
.
Utopia omitida nas juras apaixonadas
Já não ouço tuas palavras arrebatadas
Nem retribuo os teus abraços de amor
.
Autor: gil antónio
.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

A chave...numa insana desorientação.

Neste reboliço onde o meu coração se encontra
Quando se entrega, a uma insana desorientação
Existe um segredo que guarda, que nunca conta
Puro sentimento, quando a entrega é de coração
.
Existe a chave sem cópia que te quero entregar
Existe um amor escondido em frenesim insano
Existe palavra mágica que gosto de pronunciar
Existe reciprocidade em sentimento que emano
.
Nesta existência deixar-te-ei a chave na tua mão
Guarda-la-às, em especial recanto, à tua escolha
Onde acredites que a cumplicidade é verdadeira
.
Sente estas palavras, lê baixinho, não digas não
Sente o meu  carinho, tão leve, como uma folha
Guarda a chave, se necessário, para vida inteira. 

---

Autora: Larissa Santos

sábado, 13 de janeiro de 2018

Luz no teu quarto ...Tentação do meu olhar


Caminho devagar. Enfrento a noite escura
Silêncio. Imagino o sabor de um teu beijo
Sorrio. Penso nas tuas palavras de ternura
Que me acompanham como elo de desejo
.
Um prédio. Luz espelhada naquela janela
Trespassa a noite através da sua claridade
Imagino-te no quarto, andando junto dela
Formosa, bela, expelindo luz e felicidade
.
Invade-me a fantasia de te querer abraçar
Apertar-te em meus braços, persuadir-te
No silêncio. Ouvir teus cicios de abrasar
Afogueando meus sentidos ao possuir-te
.
Mas tu não sabes que eu tanto te pretendo
Sou a solidão do pensamento que vagueia
Caminho na noite negra. Apenas pretendo
Olhar a luz, onde a tua fina beleza passeia
.
Vil o espaço que nos separa. Ideia alienada
Não o meu sentimento que arde em chama
Na noite sou apenas uma gotícula do nada
Que vagueia pensando na mulher que ama
.
autor: gil antónio
.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Teus lábios querem devorar-me...

Num sonho por onde se perdem os dedos
os meus,carinhosos,
Sentem tua pele macia de homem maduro
suspiro,
Quando me sinto vendada e algo procuro
são os teus lábios,
Que atenuam este meu, tão louco desejo
quando me tocam,
E me fazem sentir viva sem os meus medos...
.
A tua sensualidade enlouquece-me a alma
o coração estremece,
Os meus olhos querem ver-te urgentemente
querem sorrir,
Os meus lábios querem tocar-te e beijar-te
e os teus?
Sei que me querem devorar com a tua calma
tiras-me esta venda,
Olhas-me, sorrimos...beijas-me docemente.
--



Autora Larissa Santos

Saudade, com cor e presença.

Faz tempo que guardo esta saudade... Que o meu peito suspira pelo teu, pelos abraços, pelas tuas palavras mágicas e carinhosas. Esta saudade faz doer. Quando me lembro do teu sorriso cristalino, meigo e contagiante. Sinto saudade do teu beijo arrebatador. Do teu abraço de conforto. Faz tempo que esta saudade me atormenta e me faz desatinar, quando ela apenas, tem olhos para ti.
Desfolho as cartas que me escreveste, caem lágrimas de alegria. Afinal, é tão bom sentir saudade. Saber que estás lá, não sei onde, mas estás, e saber que estás bem, deixa-me um sorriso no rosto. Mesmo nos dias em que o sol não aparece, eu tenho um sol dentro de mim. A saudade. Faz tempo, que esta saudade tem cor. Tem alegria, tem presença. A minha. Porque toda a saudade que sinto, não é mais, que o coração repleto de amor...
Afinal, a saudade faz parte de toda uma vida. De toda a nossa vida.



Autora: Larissa Santos

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Sou como um ramo de árvore ... partido.


Sou como um ramo partido
Que faz a árvore chorar
Nos campos por onde passo
Nem sempre estarei caido
Essa viagem faz-me pensar
Que vou morrer de cansaço
.
Sei que a árvore não vai sentir
Nem perceber a minha aflição
E no campo continuará a viver
Nem nada me virá pedir
Mas diz-me o coração
Que chorará por não me ter
.
Qualquer ramo que se separe
Da sua querida árvore mãe
Ficará à mercê do vento
Não tem quem o ampare
Sei que muitos destinos tem
Na sua viagem em movimento
.
Será lareira, fino apartamento
Para bem da humanidade
Será fogo, banco de candura
Fina pureza, acolhimento
Cama de bebé, felicidade
Paz e amor, meiga ternura
.
Será carvão, luz da humana vida
Entulho, empecilho do varredor
Mas pensando bem, contudo
Sou um ramo de árvore, partida
Que tanto faz por carinho e amor
Mas será que sou isso tudo?
.
autor: gil antónio
.

Teu Sorriso ... Minha Doce Inspiração


Teu sorriso é a ternura que tão docemente
Aflora ao teu rosto, deixando-o ruborizado
Por teus olhos serem a doçura permanente
Ando eu por ti tão carecido e apaixonado
.
É teu corpo a doçura que me acompanha
Nos meus sonhos em que sozinho suspiro
Voz de amor em verso de beleza tamanha
Quando  és minha reflexão em meu retiro
.
Ouço os teus suspiros que entram em mim
Como mensagens de amor, flor de jasmim
Delírios carentes que minha alma aprovou
.
Bebo em teus lábios a crisma da atracção
Que vai refrescar a áurea do meu coração
Que pelo teu sorriso …  sempre suspirou
.
Autor: gil antónio
.

domingo, 7 de janeiro de 2018

Deslaço memórias, d'amor ausente.

Deslaço memórias, sentimentos românticos
Encontro músicas que me permitem viajar
Escuto cada letra com um doce lacrimejar
E me entrego de coração aos teus cânticos
.
Escuto a tua voz de fundo, tão embriagada
E na emoção do teu bem querer, em fulgor
Faço do meu carinho genuíno, lúcido amor
O embrulho, em laço de cor fina, encarnada
.
O teu amor, está na minha música de fundo
Os sons peculiares da natureza, me aliviam
E nas tuas palavras cristalinas me confundo
.
Mas nestes laços que criámos d'amor ausente
Serás música que preenche os meus sentidos
Numa entrega, onde a reciprocidade se sente.

--

Autora: Larissa Santos

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Cai a Chuva em desejo de amor-perfeito.


Chegou a chuva. Água com cheiro a hortelã
Talvez tardia. Secas anunciadas, incessantes
Sentimentos que chegam, doçura da manhã
Qual mistério real nos corações dos amantes
.
Cai das nuvens em aguaceiros, frescas gotas
Em térreos arenosos. Caudais efervescentes
De desejos translúcidos de torrentes afoitas
Que ateiam o sorriso em faces adolescentes
.
Inverno, cálido adorno das vertentes tardias
Riscos de ternura em distantes preconceitos
Traz fortuna, noções de amor, todos os dias
Rezas de afecto em desejo de amor-perfeito
.
Autor: gil antónio
.

O Silêncio da Luzência em noite escura


Noite escura. Silêncio da luz por ligar
Vidraça húmida. Estrelas enternecidas
Pirilampos esvoaçam em anéis pelo ar
Parecem mostrar fantasias esquecidas
.
Entram no meu olhar, luzências caladas
Clarejam a noite. Um morcego esvoaça
Escuridão. Luz das estrelas abençoadas
Iluminam o desolado escuro que grassa
.
Surge a luz num candeeiro. Luz divina
Rua iluminada. Fica bonita, cristalina
Bondade. Nota-se o brilho das estrelas
.
Uma estrela cintila na minha direcção
Parece dirigir-se rumo ao meu coração
Sorrindo. Olho o Céu. Dá gosto vê-las

Autor: gil antónio
.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

"Perambular nesta viagem da vida"

 Imagem relacionada

Quero perambular nesta viagem da vida
Beber com esperança o mundo presente
Erguer minhas mãos, deixar-me contida
Neste momento, em que te sinto ausente
.
Olhar o horizonte, observar o sol brilhar
O céu azul celeste, instigante, inspirador
Imaginar o teu olhar em brilho, partilhar
Momentos celestiais. É desejo devorador
.
Erguer as minhas mãos, poder agradecer
À luz que me ilumina, ate ao desvanecer
Mas jamais perderá o brilho e seu encanto
.
Cisma o meu coração nos sonhos tão reais
Pedindo que os preserve em cofres surreais
Nesta viagem da vida onde te desejo tanto.
--
Autora: Larissa Santos

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Falemos de amor ... todos os dias do ANO NOVO



Conversarmos sobre factos mais desastrosos
Que acontecem no seio da erudição do Povo
Entraríamos por ruas estreitas, tão perigosas
E não é assim que quero iniciar o Ano Novo
.
Falemos de amor que arde em fogo ardente
Que nos incendeia o coração, nos faz amar
Passeemos descalços da mentira comovente
Que nosso amor flutue como ondas do mar
.
Nos olhemos com olhos de ternura sedução
Aos fúteis dissabores darmos nosso perdão
Que cada dia seja de partilha e puro renovo
.
Sejamos a ave que voa em doce liberdade
Façamos das palavras, cristalina verdade
Mostremos que todos os dias, é ANO NOVO
.
Autor: gil antónio
.