sábado, 28 de abril de 2018

Foi nosso amor ... deslapidada loucura.



Queria amar-te, em alva espuma maravilhosa
Sussurrar ao ouvido palavras de amor ardente
Falar-te em amor, ante vaga viril, caprichosa
Tocar, beijar os teus doces lábios, ternamente
💢
Amor inflamado é como ondas do incerto mar
Que se fazem e desfazem em iras misteriosas
São ruas de barcos. Sabem como se apaixonar
Musas e sereias nadam nas suas águas ditosas
💢
Amar-te foi um lapso e tu sabes bem que o foi
Não soubemos navegar pelas vagas da ternura
Sabemos que a tristeza ainda agora nos corrói
💢
São nossos olhares, infinito das ondas sentidas
Mistérios do verbo amar, deslapidada loucura
Nas impiedosas águas quentes, e frias da vida

💢 💢 💢
Autor: gil antónio
💢

37 comentários:

  1. Bom soneto Gil António.
    Estive a estagiar no hospital de Santa Maria. Já bem, voltei agora da convalescença.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Um lindo soneto de amor magoado, que não soube viver as ternuras, mas ainda queima

    ResponderEliminar
  3. ...Não soubemos navegar pelas vagas da ternura...
    Quantas vezes nos perdemos nessa navegação que seria tão simples que se não complicássemos...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Soneto dos mais lindos! Meus sinceros parabéns Gil Antonio! Obrigada pelos comentários no blog do Antenor, onde figuram nossos duetos! Feliz final de semana! Luiza

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde meu querido Gil...Parabéns pelo poema. Lindo demais...Tu és o mei orgulho. :))

    Bjos
    Sábado feliz

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde, Gil António!

    Brilhante! Um (quase) dos melhores que já li aqui.!!

    Beijos. Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  7. Belíssimas palavras....
    Um ótimo final de semana, que seja inspirador.

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde, Gil! belo poema, "Amor inflamado é como ondas" pois... é, mas também existem ondas geladas, seu dom poético é fantástico, é notório em cada criação sua.
    Bom fim de semana,
    AG

    ResponderEliminar
  9. Há momentos magoados... há gelo apesar do Verão... há sombras e lágrimas quando devia haver apenas Sol e risos...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  10. Oi Gil,
    Não respondi antes pois estou doente dos pés. Amanhã vou pagar 600 reais de um exame. O plano não cobre.
    Sua poesia é sua sensibilidade.
    Logo vou tirar uma foto e fazer uma auto-biografia.
    Como é bom amar no mar: saudades da minha juventude.
    Beijos
    Dorli






    ResponderEliminar
  11. Bom dia, Gil Vicente,
    soneto maravilhoso, nos leva de volta ao passado e com ele, as lembranças de algo bom, mas que também nos feriram a alma,"Nas impiedosas águas quentes, e frias da vida". Tenha um lindo final de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Marli Terezinha

      Não serei o Gil Vicente mas, decerto, e juro que sou, o Gil António, lol

      Feliz fim de semana.

      Eliminar
  12. O amor sempre o amor.parabens poeta.bj

    ResponderEliminar
  13. Adorei o post bastante criativo, adorei as dicas
    Conheci seu blog agora adorei tudo e te sigo
    Beijos

    Por favor visite-nos e siga
    https://coisasdecrespasoficial.blogspot.com/2018/04/eu-acredito.html

    ResponderEliminar
  14. Recordações de Amores "esfriados". Poema de bom fio condutor. Imagem a condizer.
    Parabéns, Gil


    Abraço
    SOL

    ResponderEliminar
  15. Transmite uma ligeira mágoa, mas está fabuloso!

    r: Obrigada e igualmente :)

    ResponderEliminar
  16. Antes de mais obrigada pela visita!
    Tenho andado afastada da blogosfera por motivos de saúde e só hoje pude vir aqui!
    Para já só li este poema e adorei. Parabéns
    Vou agora "passear" por aqui um pouco e voltarei!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  17. Um soneto triste de um amor terminado.
    Bjs Gil.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  18. Um poema encantador. Geralmente os poemas mais belos são os tristes. Este, embora triste, é sem dúvida de uma beleza poética invulgar.

    Abraço

    ResponderEliminar
  19. Olá, Gil!
    Mas um soberbo poema, este sobre os "mistérios do verbo amar".
    Abraço e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  20. Muito lindo, bom fim de semana, obrigada pelas visitas.

    ResponderEliminar
  21. Muito tristes os amores terminados...

    Belas palavras...

    ResponderEliminar
  22. Que bonito! ;)

    beijos!

    https://ludantasmusica.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  23. Quando o amor acaba fica sempre uma tristeza dentro de nós.
    Abraço e bom domingo.

    ResponderEliminar
  24. Boa noite, Gil. Agradeço por seu comentário no meu outro blog.
    Muito lindo seu poema, e, infelizmente eu me vi nele.
    Triste demais quando o amor transforma-se em lapso pelos olhos da realidade.
    Parabéns.
    Beijos na alma.
    Paz e luz.





    http://redescobrindoaalma.blogspot.com.br/2018/03/liberdade-by-patricia-pinna.html?m=1

    ResponderEliminar
  25. Amor... amar... misterioso sentimento, as vezes alegria, as vezes amargura, mas, nao viveriamos sem ele...

    Beijos...

    ResponderEliminar
  26. Mais um soberbo soneto do grande poeta Gil. ABRACOS

    ResponderEliminar
  27. Amigo Gil
    Parabéns pelo seu maravilhoso soneto.
    Também estou de acordo: o Amor é louco...mas é uma loucura deliciosa!
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderEliminar
  28. Gil ... a imagem é fantástica!!!
    Seleciono:
    "São nossos olhares, infinito das ondas sentidas
    Mistérios do verbo amar..."
    Bj e gosto de ler

    ResponderEliminar
  29. Um soneto sensível, romântico, pleno de amor e encantos, como sempre você dá show na poesia, amei!
    Beijos carinhosos!

    ResponderEliminar
  30. Soneto que denota mágoa e desalento.
    Mas um bom trabalho poético.
    boa semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  31. Oi Gil,
    Poema lindo, um dos seus melhores!
    O verbo amar sempre nos apresenta surpresas
    e algumas vezes lapsos acontecem...
    Beijos!

    ResponderEliminar
  32. Obrigado de coração a todos os visitante e comentadores em particular. Sem vós a poesia não fazia sentido existir.

    Beijinho
    Abraço

    ResponderEliminar
  33. Nem sempre amar é fácil.
    Nostálgico mas belo soneto.
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar