quarta-feira, 9 de maio de 2018

Ouvindo o silêncio dos Areais.


Ouço o teu respirar. Venera o meu silêncio
Caminho no areal onde a solidão é luz vazia
As nuvens circulam calmamente. Olham-me
Parecem dançar nos musicais da afinidade
Sendo o meu olhar, o abrigo da melancolia
*
Nas dunas circundantes, vales se estendem
E deslizam como sendo mares de espuma
Nas vazias orlas de uma viagem silenciosa
Onde a soledade e as palavras se estendem
No horizonte que pela canícula se esfuma
*
São as dunas, branco areal que o sol acaricia
O vento bate levando grãos de areia e doçura
Onde o insolação é a solidão da fina magia
A aragem termina, e por destino, principia
Levando a todos os rostos pureza e frescura

***
Autor: gil antónio
*

33 comentários:

  1. Um poema muito bonito que nos faz pensar! =)
    Beijinhos,
    https://chicana.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  2. Lindo,...
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ResponderEliminar
  3. Bom dia, Gil!
    O que dizer do teu poema? É mais um...SOBERBO!!


    Beijos e um excelente dia.

    ResponderEliminar
  4. E é observando as dunas de areias brancas que nos debruçamos sobre nós mesmos e refelectimos; deixamos o silêncio entrar e, forçosamente, a emoção entra e com ela muita nostalgia, em geral de saudade. Ficamos emocionados, porque algo dentro de nós foi tocado por um ou outro graozinho de areia branca que o vento trouxe até nos.
    Mesmo assim, apesar da melanvolia, devemos observar e admirar as dunas e o mar, em comunhão com a beleza que eles nos oferecem. Comovida fiquei também. Obrigada Gil, por me teres levado às tuas dunas de areias brancas. Um beijinho
    Emilia

    ResponderEliminar
  5. Gil um dos silêncios que mais me impressionou e ainda hoje o sinto na alma ... foi o silêncio num deserto tunisino!!!
    ...
    Por isso ... entendo bem seu estado de alma neste poema!!!bj

    ResponderEliminar
  6. Um silêncio que penetra no âmago da alma e faz o poeta divagar delineando versos esplêndidos. Maravilhoso, Gil
    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Fiquei fascinada ao ler tão sublime poema
    Beijinho Gil

    ResponderEliminar
  8. Sensações exuberantes destacam em seu poema... Transporta-nos ao ambiente narrado...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  9. Muito bonito com uma bela foto de suporte.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  10. Bonito poema, muito bonito mesmo! :) Boa noite.
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  11. Poema maravilhoso de pura e intensa inspiração.

    Bjo

    ResponderEliminar
  12. Quando estou a caminhar na praia, ouço cochichos.

    ResponderEliminar
  13. Boa noite meu querido GIl. Este poema fez-me lembrar a minha juventude pelas praias :)) Muito bom. Parabéns :))

    Bjos
    Noite feliz

    ResponderEliminar
  14. Meu caro Gilamigo

    Já andei por dunas e por diversas vezes, algumas delas em desertos e o teu poema por isso mesmo para mim é soberbo. Unes a solidão que se espalha quais grãos de areia que o vento leva até ao infinito. Parabéns.

    Um abração deste teu amigo e admitador
    Henrique, o Leãozão
    _______
    Na Nossa Travessa pode ler-se um artigo intitulado Do smartfone à sogra

    ResponderEliminar
  15. O meu Amigo sempre no seu melhor!
    Muito bom!

    Aquele Abraço.

    ResponderEliminar
  16. Boa noite.
    Poema brilhante com cheirinho a dunas e a maresia :)
    Gostei!

    Beijito

    ResponderEliminar
  17. Amigo Gil que belo poema
    Abraço
    https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  18. Quase me senti no meio do areal, a sentir essa leveza do vento e do silêncio!

    r: Portugal tem artistas incrivelmente talentosos. Portanto, acredito que esse feito possa voltar a repetir-se

    ResponderEliminar
  19. A sentir a frescura e pureza das suas palavras.

    ResponderEliminar
  20. que bonito poema
    http://retromaggie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  21. Sabe o que é que me fez lembrar?
    O célebre programa radiofónico "Pão com Manteiga".
    Especialmente um episódio no deserto.
    No qual o José Fanha dizia ao Carlos Cruz - "Cramaba, pá, não se vê ninguém."
    E o Carlos Cruz respondia - "Pois, o deserto ao domingo 'sempre assim" :))))
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  22. Parabéns pelo poema, é magnífico.
    Continuação de boa semana, caro Gil.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  23. Um silêncio feito de paz.
    Maravilhoso poema.
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar