quinta-feira, 12 de julho de 2018

Cartas escritas em letras esquecidas


Abro as gavetas da minha ferida alma
Onde procuro ler as cartas de amor
Que um dia em capítulos me escreveste
Sei que essa leitura me dói, mas acalma
Embora como aroma de dourada flor
Foram cartas escritas que já esqueceste
*
Abro as cartas e com um sorriso feliz
Leio versos de pura doçura e poesia
Sofrendo com a vã certeza da verdade
Que muitas vezes se redige, e se diz
Palavras escritas na astúcia da ironia
Que na alma são desditas de maldade
*
Dorido silêncio em destinos inaginados
Onde os versos eram ditongos de paixão
Sabores de um chá de frutos adocicados
Escritos de um amor em cartas fechadas
Ortografadas pela ironia do teu coração
Que as não escreveu em letras douradas

*** 
Autor: gil antónio
*

42 comentários:

  1. Cartas de amor, sempre se recordam mesmo quando o amor acaba. Atualmente as cartas de amor viraram mensagens que se apagam quando a memória do aparelho ameaça esgotar-se.
    Gostei do poema.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. A passar por aqui para conhecer mais um bonito poema.

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  3. Cartas de amor quem as não tem... quem não as recorda mesmo se guardadas na "ferida alma".
    As escritas em letras douradas eu guardo no coração.
    Gil, mais um belo poema de amor. Gostei!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. Meu querido, mais um poema cheio de amor e brilho, tal com é o teu coração lindo. Adorei. :))

    Boas férias meu Anjo. :*
    Bjos

    ResponderEliminar
  5. Gil,
    Eu ando fazendo esse tipo
    de viagem na vida
    e nos poemas,
    tenho rebuscado gavetas e escritos.
    Lindo e sentido poema.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde! Como sempre fico encantada com os poema de ambos, mas o Gil tem uma forma muito especial de nos tocar! AMEI!

    Queria ser a água corrente do teu desejo

    Beijos e um excelente dia!

    ResponderEliminar
  7. Nem sempre são letras douradas... podem trajar de negro...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  8. E a sdd sempre vem qdo a gente permite a ler e reler o passado....

    bjokas =)

    ResponderEliminar
  9. Quem as não tem?
    Gostei muito.
    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Seus poemas são lindos e a música que toca ao fundo é profunda e linda demais. *--*
    Beijos. ♥
    Diário da Lady

    ResponderEliminar
  11. Que bonito, gostei muito de ler! :) Continuação de bom dia.
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  12. Boa tarde Gil!
    Lindo poema de amor, é quem não tem cartas de amor?
    Umas com letras mais douradas, outras nem tanto... mas todos,
    as recordamos com saudade amigo!
    Nas nossas gavetas do passado ,à muito que ficou guardado
    para recordar às vezes com muita saudade.
    Beijo fraterno, seja feliz!

    ResponderEliminar
  13. Que encanto de poema!

    r: Ultimamente, tenho-me dedicado às caminhadas, mas gostava de, pelo menos, regressar à zumba :)

    Umas excelentes férias para o Gil

    ResponderEliminar
  14. Recordar é viver... e viver por vezes é sentir saudades...

    Beijos...

    ResponderEliminar
  15. Boa noite, penso que todos temos uma gaveta escondida no fundo da alma com belas cartas de amor, quantas nos dão saudades e quantas nos fazem ou nos fizeram chorar. Vale a pena recordar através das belas cartas. Abraço, boa noite!

    ResponderEliminar
  16. Lindo e apaixonante de se ler. Linda inspiração. Parabéns. Um abraço

    ResponderEliminar
  17. Mais um poema recheado de tudo e gostei imenso:)

    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
  18. Onde os versos eram ditongos de paixão
    Sabores de um chá de frutos adocicados ... em PERFEITO MOMENTO POÉTICO!!!
    bj

    ResponderEliminar
  19. Lindo,...
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ResponderEliminar
  20. As cartas são mudos testemunhos, rastros do tempo esquecido...quando relidas, têm um gosto de saudade, pois costumam trazer um passado doce.
    Um abraço!

    ResponderEliminar

  21. Cartas de amor, que as não quer...
    Excelente poema, parabéns pela inspiração.
    Caro Gil, continuação de boa semana.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  22. Great post, dear! Looks interesting :)
    Hugs ♥

    ResponderEliminar
  23. Boa continuação de inspiração poética! Lindos.

    Fica o meu abraço.

    ResponderEliminar
  24. Boa tarde, Gil!
    Para um grande Amor, letras douradas.
    Tenha dias felizes e abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderEliminar
  25. aporte en el blog.

    Espero que vuelvas por el blog siempre que lo desees.
    Besos

    ResponderEliminar
  26. Tudo passa, tudo esquece,
    no tempo que passa a correr
    mas, quem por amor padece
    dele não é fácil se esquecer!

    Gostei de ler esse seu, interessante, poema. Tenha uma boa noite caro amigo poeta Gil António,
    Um abraço

    ResponderEliminar
  27. Que poema maravilhoso.
    Beijos.
    http://vinteedoisdemaio.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  28. Grande poema,
    Abraço Gil

    Hoje em Caminhos Percorridos - O TEU NOME

    ResponderEliminar
  29. bonito poema
    http://retromaggie.blogspot.com

    ResponderEliminar
  30. Revirou o baú das memórias, leu as velhas cartas de amor, rendeu um belissimo poema!
    Feliz findi Gil!
    Abraço!

    ResponderEliminar
  31. Inspirados e saudosos versos de cartas que desengavetam o passado.

    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  32. Amigo, sou do tempo das cartas de amor e o romantismo estava no ar a cada cartinha , cartão ou bilhete do amado. Linda poesia! Parabéns!

    ResponderEliminar
  33. Ah cartas de amor, quão lindas elas são e tanto bem fazem a quem as recebe. Teu lindo poema exprimiu a grandeza desse meio de comunicação romântico e encantador.
    Beijos!

    ResponderEliminar