sábado, 9 de fevereiro de 2019

Bicudos punhais ... em chagas de solidão


Infiéis tristezas apertam em meu peito
Finas lâminas que ferem na desventura
Chagas de sangue que,  por mal efeito
Escurecem, o meu coração, na loucura
*
Agitam em delírios o meu ego tão dorido
Ferindo a minha alma que sinto explodir
Palavras trocadas por vezes sem sentido
Que ofuscam qualquer vontade de sorrir
*
Tristezas que inferem no opaco passado
Sonhos de mágoa, em pesadelos sentidos
Que no íntimo são nós num rumo calado
Hoje no destino, dramatizados e vividos
*
Agonias atroadas em instantes atribulados
Que assaltam o meu coração sem o avisar
Deformam a vontade de tempos passados
Quando o sentimento era apenas … amar
*
Tantos sonhos na incerteza da noite escura
Se transformam num tormento inconsciente
Desalento magoado em laivos de amargura
Que olvidando o passado, ferem o presente
*
Por ti, por nós, nas brechas do nosso destino
Existem fendas dentro das acritudes da vida
Que, atiçando as emoções do ferido desatino
São bicudos punhais, que nos ferem na saída

***
autor: gil antónio
*

40 comentários:

  1. Votos de bom fim-de-semana, sem solidão nem amargura.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Atribuladas paixões,
    ondulação no mar alto
    abalroadas embarcações
    infeliz coração magoado!

    Tenha um bom fim de semana caro amigo poeta Gil António.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Olá Gil!
    Este poema tem, tanto de triste como de belo! Adoro-te...Adoro tudo o que escreves. Fazes-me bem à alma!

    Um Sussurro.:)

    ResponderEliminar
  4. Que a solidão a amargura sejam somente figuras de linguagem da sua linda poesia
    Um maravilhoso final de semana
    Beijokinhas

    ResponderEliminar
  5. Só posso dizer que é a vida, é a vida...
    belíssimo!

    ResponderEliminar
  6. Até na tristeza os poemas são belos. Aliás, são os mais belos, na minha modesta opinião! Estranho é, eu raramente ler um poema triste, deste Poeta! AMEI

    Beijo
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  7. A solidão é fodida...
    Votos de um excelente fim-de-semana

    ResponderEliminar
  8. Encontramos a beleza, a inspiração quando estamos tristes. Nada como um dia após o outro.

    Abraços, excelente final de semana.
    Dan
    https://gagopoetico.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  9. Um toque mais sombrio e de mágoa, mas, ainda assim, uma poesia arrebatadora!

    ResponderEliminar
  10. Lindo poema, embora saudoso, triste, sombrio sua inspiração está majestosa!Parabéns!

    ResponderEliminar
  11. Caro Gil, eis um poema encorpado. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  12. Gil,
    São punhais que ferem
    mas que inspiram tão bela poesia.
    Então esses duros punhais já
    cumpriram sua missão.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  13. Gosto da sua poesia mas...
    Apesar dos meus problemas graves de saúde, tento não perder completamente o meu sentido de humor, comece a escolher poemas um pouco mais alegres! É só uma opinião.

    O meu abraço e BOM F.de S.

    ResponderEliminar
  14. Enquanto li o POEMA só tive em mente o nosso Luís de Camões.
    Palavras que ele também usava para cantar o seus infelizes amores.
    Gil, tu tal qual como a Larissa escrevem poemas sombrios, só que a vossa tristeza é imaginação poética.

    O POEMA é arrebatador, Gil, apunhalando mesmo o coração 💓 mais feliz 🐦

    ResponderEliminar
  15. Inspirado.
    Tudo é sentimento, eis o que há de mais verdadeiro!
    Linda composição!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
  16. Bom dia meu querido. Na alegria, como na tristeza, a poesia é sempre interessante. Muita intensidade nas tuas palavras. Adorei...

    Bjos
    Votos de um óptimo e quentinho sábado. :))

    ResponderEliminar
  17. Querido Gil
    Um belo e dolorido poema de amor!
    Há sempre dois lados numa mesma «moeda»: alegria/tristeza, bons/maus momentos: é a vida!
    Parabéns pela sua belíssima inspiração.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderEliminar
  18. "Palavras trocadas por vezes sem sentido
    Que ofuscam qualquer vontade de sorrir" - me senti muito assim... :(

    ResponderEliminar
  19. Os lados opostos , sem se verem, são parte dum mesmo Ser.
    Belo Poema.


    Abraço
    SOL

    ResponderEliminar
  20. Poema lindo adorei.
    Um bom final de semana pra você.

    Bjo
    https://blogdaadilene.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  21. Poema delicioso de ler

    Feliz fim de semana

    ResponderEliminar
  22. Oxalá os punhais se transformem em flores e a solidão em companhia!
    Poema lindo, mas triste.
    Bjo e bom domingo!

    ResponderEliminar
  23. Prefiro punhais que trespassam os corações de amor :)
    Boa noite

    ResponderEliminar
  24. Belos versos amigo e o final é fantástico nestas pontas do punhais.
    Grande trabalho da inspiração sobre o sentimento muitas vezes esmagado.
    Meu abraço e boa semana.

    ResponderEliminar
  25. É que AMAR não é assim tão simples!
    Gostei de ler... Bj

    ResponderEliminar
  26. Respostas
    1. Acritude = Agrura ... Azedume

      Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

      Eliminar
  27. Olá, Gil António!

    Um poema mto triste, de facto, e com influências do Português brasileiro, tal como já vem sendo hábito nos seus poemas. Exemplificando: "Infiéis tristezas apertam EM meu peito". Há, aconselho a k leia poemas portugueses, k os há às centenas na Internet para que surja o Português de Portugal. Ah, querem ver:o Gil António é brasileiro -rs, mas já cá está Há mto tempo. Não, o seu continente não é o americano.

    Antes, tudo era amor e sinceridade. Depois a amargura e a as "facas bem aguçadas", entraram em campo. É assim a vida, é assim o amor.

    "As acritudes da vida"? O que quer dizer com isto? É que a palavra acritude não existe em idioma algum. Talvez queira dizer atitudes.

    Abraço e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Céu

      Está visto que sou mesmo um iletrado. Não estudei, andei na escola e na faculdade apenas a passear os livros, e pouco mais.

      Evidentemente que jamais tive, tenho ou terei a pretensão de ser um Luís de Camões, Fernando Pessoa, Almeida Garrett, ou outro grande poeta da nossa "praça".

      Não precisa de me aconselhar a ler poemas portugueses - embora agradeça a sugestão - porque eu na minha pouca escolaridade poética, leio muitos, muitos, muitos. Nem imagina quantos.

      Quanto às acritudes direi que: ( Fazendo copy/paste)

      "acritudes", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

      a·cri·tu·de
      (latim acritudo, -inis, agrura, azedume)

      substantivo feminino
      Qualidade do que é acre. = ACRIDÃO, ACRIDEZ

      Não sei se isto é certo ou errado. Quem sou eu para "ensinar" ou não concordar com o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa.

      É claro que a amiga Céu sabe isto perfeitamente, razão pelo qual, não tenho qualquer pretensão em "discutir" este ou qualquer outro vocábulo, com uma ilustre professora de português, como é a amiga Céu..

      Abraço e boa semana

      Eliminar
    2. Olá, Gil António!

      Começar o seu discurso com "duas pedras na mão" não vale. Então, dialoguemos!

      Também não tenho dessas pretensões. Escrevo umas "coisinhas", que, em geral agradam, mas haverá quem não goste. Entendo, aceito e admito!

      Prometo que não o aconselharei, não lhe darei qualquer sugestão qto a leituras ou a outros assuntos. As minhas desculpas!

      A palavra acritude existe, embora usada no início do século passado, sobretudo por poetas brasileiros. No Português de Portugal, nem em qualquer outro, eu a conhecia.

      Há dicionários, k me dão pouca confiança, e o Priberam é um deles. Qto mais explica, mais confunde.

      Eu não sou ilustre em coisa nenhuma. Sou uma pessoa com virtudes e defeitos e uma professora, k se esforça para ensinar o melhor que sabe.

      A PALAVRA ACRITUDES EXISTE. AS MINHAS DESCULPAS!

      Um abraço com estima.

      Eliminar
    3. Amiga Céu, bom dia.

      Dialoguemos!

      "" Quem não se sente não é filho de boa gente "". É um ditado bem português e quem ousa ou ousará dizer que esses ditados não têm razão de ser e/ou de existir.

      A palavra ACRITUDE existe em todos os bons dicionários, como por exemplo, a PORTO EDITORA.

      Desculpas aceites como não podia deixar de ser. Quem nesta vida nunca errou que atire a 1.ª pedra, não é verdade?

      Assunto encerrado

      Retribuo o abraço com estima e, acredite, com muita admiração poética.

      Eliminar
  28. A alegria e a tristeza andam sempre de mão dada. Lindo este texto, obrigada pela partilha.
    Beijinhos
    Carla
    Blog: Guloso qb

    ResponderEliminar
  29. Há palavras que são cruéis como punhais.
    Não é o caso dos seus belos poemas.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  30. Haverá sempre algum "punhal" que nos espreita... Previnamo-nos!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  31. E assim, o amor é testado... nas horas mais amargas...
    Belíssimas palavras, Gil!... Quem já não sofreu por amor... e de amores?...
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderEliminar